Somos...

Somos...
Rebele-se Contra o Racismo!

segunda-feira, 27 de março de 2017

O Assassinato de Martin Luther King Jr

Martin Luther King morreu há 47 anos
A família King e um amplo setor da sociedade estadunidense apoiam a teoria de que Martin Luther King, Jr teria sido vítima de uma conspiração do próprio Governo; e que James Earl Ray teria sido um "bode expiatório". Esta teoria remete ainda a uma conexão a outro fato contemporâneo: o assassinato de John F. Kennedy, que ocorreu cinco anos antes.

No dia 4 de abril de 1968, Martin Luther King, reverendo afro-americano, pacifista e ativista da luta pelos direitios humanos, foi assassinado por James Earl Ray, em Memphis, (Tennessee-EUA).

A luta pelos direitos civis e a sua participação em manifestações pacíficas despertou a consciência do país para uma participação na instauração de uma sociedade mais justa. A sua ação valeu-lhe o Prémio Nobel da Paz, em 1964.
Nos últimos anos de vida, Luther King esteve sob escuta telefónica, por parte do FBI, e também foi controlado pelos serviços secretos militares por participar em manifestações contra a Guerra do Vietname, em 1967. Além disso, ao defender reformas económicas radicais, em 1968, inclusivamente um subsídio anual mínimo para todos, Luther King criou inimigos em Washington.
No dia 4 de abril de 1968, Luther King estava em Memphis para apoiar a greve dos trabalhadores dos serviços sanitários e ia jantar, quando uma bala o atingiu no queixo e furou a espinal medulal. Foi declarado morto ao chegar ao hospital local. Tinha 39 anos.

Nos meses anteriores, Luther King estava cada vez mais preocupado com a desigualdade económica nos
EUA e organizou a Campanha do Povo Pobre. Em março de 1968, foi a Memphis apoiar a greve dos trabalhadores dos serviços sanitários, maioritariamente afro-americanos.
No dia 28 de março, uma marcha de protesto dos trabalhadores, liderada por Luther King, terminou em violência, com a morte de um adolescente afro-americano. King deixou a cidade, mas prometeu voltar em princípios de abril para encabeçar outra manifestação.
No dia 3 de abril, regressou a Memphis. pronunciando o que seria o seu derradeiro sermão: "Tivemos algumas dificuldades, há dias atrás. Porém nada importa para mim agora, porque estive no alto da montanha... E Ele permitiu que eu subisse a montanha. Olhei ao redor e avistei a Terra Prometida. Não irei até lá convosco, mas quero que esta noite saibam que nós, como povo. Chegaremos à terra prometida."
No dia seguinte, King foi assassinado por um franco-atirador. Assim que a notícia se espalhou, a população saiu às ruas em várias cidades do país. A Guarda Nacional foi deslocada para Memphis e Washington.

No dia 9 de abril, King foi enterrado na sua cidade natal: Atlanta (Geórgia-EUA). Dezenas de milhares de pessoas alinharam-se nas ruas para ver passar o caixão colocado sobre uma simples carroça rural, para prestar-lhe o último tributo.

Na noite do homicídio, uma espingarda de caça foi encontrada numa pensão a um quarteirão do Lorraine Motel. Nos meses seguintes de investigação, a arma e os relatos de testemunhas oculares apontavam para
um único suspeito: James Earl Ray.
Criminoso comum, Ray tinha fugido duma prisão no Missouri, em abril de 1967, onde cumpria uma sentença por assalto. Em maio de 1968, começou uma intensa caça a Ray. Finalmente, o FBI constatou que ele tinha obtido um passaporte falso.

No dia 8 de junho, a Scotland Yard prendeu Ray no aeroporto de Londres. Tentava voar para a Bélgica com o objetivo de chegar à Rodésia. Na altura, a Rodésia tinha um governo de minoria branca, opressor e internacionalmente condenado.

Extraditado para os EUA, declarou-se culpado perante um juiz de Memphis, em março de 1969, para evitar a cadeira elétrica. Foi sentenciado a 99 anos de prisão. Três dias depois, tentou retirar a sua declaração de culpa, afirmando-se inocente.

Alegou ter caído numa conspiração, afirmando que, em 1967, um sujeito misterioso chamado "Raoul" o recrutou para trabalhar numa empresa de tráfico de armas. No dia do assassinato, deu conta que seria o bode expiatório da morte de King, resolvendo fugir.

Ao longo dos anos, o crime foi diversas vezes reexaminado, mas chegou-se sempre à mesma conclusão:
James Earl Ray matou Martin Luther King. Um comité nomeado pelo Congresso reconheceu que podia ter havido uma conspiração, mas não havia provas para sustentar essa tese. Ray tinha uma razão para assassinar King: o seu ódio racial.
Um afro abraço.
Claudia Vitalino

fonte:www.passeiweb.com/

sexta-feira, 24 de março de 2017

A história da abolição da escravatura no Brasil sob o ponto de vista do resto do mundo

Porto Rico
A população atual é o resultado da mistura entre o local elementos dos índios Arawak poucos negros e
espanhóis chegaram a partir do século XVI.

A ilha foi descoberta por Cristóvão Colombo em 1493, durante sua segunda viagem à América, foi chamado de San Juan Bautista e reconhecido possessão espanhola.

Em 1508, um ex-companheiro de Colombo, Ponce de León, recebeu a permissão para explorar a ilha, ele se aproximou da costa norte, nomeou um ancoradouro excelente chamado Puerto Rico. O utilização é estabelecida na ilha, enquanto o seu principal porto tornou-se San Juan.

Porto Rico permaneceram sob domínio espanhol até a Guerra Hispano-Americana, em 1898.

A esperança de encontrar ouro foi rapidamente decepcionado quando tentavam espanhóis, a partir de meados do século XVI, promover culturas tropicais, incluindo cana-de-açúcar. Mas o trabalho era escasso e ineficiente feito periodicamente pelos índios de ilhas vizinhas, de modo que, na época, os espanhóis decidiram fazer Puerto Rico uma base militar e construiu a fortaleza de El Morro para proteger o porto de San Juan.

Porto Rico foi a questão da ganância Inglesa sucessiva (Francis Drake tentou aproveitar San Juan, em 1595, sem sucesso), os holandeses, também falharam em 1625.

Todas essas lutas dificultaram o seu desenvolvimento econômico: sua população foi estimada em menos de 50.000 habitantes em 1765.

No final do século XVIII, as reformas despotismo esclarecido serviram de inspiração para estimular o cultivo de cana-de-açúcar e do café.

Foram importados do trabalho escravo, e os colonos vieram das ilhas do continente e de outro lado do Caribe.

Espanha, Cuba e Porto Rico
Agustín Argüelles e José Miguel Guridi apresentaram às Cortes de Cádis uma proposta abolicionista a 1 de
abril de 1811, sem sucesso. A 13 de agosto de 1813, o deputado Isidoro de Antillano y Marzo faz uma nova proposição, mas sem eficácia (foi mesmo objeto de um atentado que quase acaba com a sua vida). AConstituição de Cádis pôs especial cuidado em distinguir as condições de "espanhol", "homem livre", "avizinhado", "liberto" (artigo 5), "cidadão espanhol" e "servente doméstico" (artigo 25.3), estabelecendo requisitos especiais para a obtenção da cidadania para os "originários da África" (artigo 22).

José María Blanco White criticou a escravidão em Bosquejo de comercio de esclavos y reflexiones sobre este tráfico considerado moral, política y cristianamente(Londres, 1814).As guerras da Revolução e do Império, marcados por uma tentativa abortada do inglese para aproveitar a ilha, teve, entre outras conseqüências, atrair os colonos franceses da Louisiana e no Haiti. A população triplicou entre 1750 e 1800.
Cuba e Porto Rico eram as últimas colônias espanholas na América, e nelas a escravidão tinha um peso econômico decisivo. A posição internacional de Inglaterra contra o tráfego de escravos impedia um fácil abastecimento. O caso do barco Amistad cujos escravos se rebelaram, e que foi conduzido para os Estados Unidos, ocasionou um conflito jurídico e diplomático (sobre o assunto fez-se um filme de Steven Spielberg, 1997). As sucessivas sublevações em Cuba do último terço do século XIX, até a Guerra de Independência Cubana de 1895-1898, tiveram como uma das suas causas as polêmicas entre escravidão e abolicionismo.

A pressão internacional promoveu leis contrárias ao comércio de escravos em 1817 (em troca de um
pagamento por Inglaterra de 400 000 libras como compensação), 1835 e 1845. A reiteração das leis era prova da sua ineficácia. Em 1837, foi promulgada a abolição da escravidão no território metropolitano, mas não nos territórios de ultramar, onde a presença de escravos era realmente significativa, demográfica e economicamente.

Cronologia
Até o século 15: os Tainos habitam a ilha.

1493: Cristóvão Colombo desembarcou na ilha.

1508: a colonização espanhola do território começar.

1510: Revolta dos Tainos.

1521: tornou-se a ilha de Porto Rico.

1873: Abolição da Escravatura.

1897: Porto Rico ganhou sua independência.

1898: incidente naval entre os Estados Unidos e Espanha. Guerra eclodiu em julho. O Tratado de Paris
terminou a guerra, Porto Rico ficou sob o controle dos EUA.

1900: Porto Rico torna-se território dos EUA.

1917: A população obteve a cidadania americana.

1950 – 1954: onda de emigração para os Estados Unidos.

1952: A ilha obtém o status de um estado livre associado aos Estados Unidos.

Um afro abraço.
Claudia Vitalino
Fonte: colegiosaofrancisco.com.br


"Abolition of the Slave Trade Act" que determinou o fim do tráfico negreiro no Império Britânico em 1807.
Porto Rico - A população atual é o resultado da mistura entre o local elementos dos índios Arawak poucos negros e espanhóis chegaram a partir do século XVI.


A ilha foi descoberta por Cristóvão Colombo em 1493, durante sua segunda viagem à América, foi chamado de San Juan Bautista e reconhecido possessão espanhola.

Em 1508, um ex-companheiro de Colombo, Ponce de León, recebeu a permissão para explorar a ilha, ele se aproximou da costa norte, nomeou um ancoradouro excelente chamado Puerto Rico. O utilização é estabelecida na ilha, enquanto o seu principal porto tornou-se San Juan.



A história do movimento abolicionista, principalmente na Grã Bretanha, é interessante.

Um dos poucos casos da história que um negócio lucrativo foi proibido por questões morais e a primeira vez que as mulheres participaram ativamente de um movimento social.

orto Rico permaneceram sob domínio espanhol até a Guerra Hispano-Americana, em 1898.

A esperança de encontrar ouro foi rapidamente decepcionado quando tentavam espanhóis, a partir de meados do século XVI, promover culturas tropicais, incluindo cana-de-açúcar. Mas o trabalho era escasso e ineficiente feito periodicamente pelos índios de ilhas vizinhas, de modo que, na época, os espanhóis decidiram fazer Puerto Rico uma base militar e construiu a fortaleza de El Morro para proteger o porto de San Juan.

Porto Rico foi a questão da ganância Inglesa sucessiva (Francis Drake tentou aproveitar San Juan, em 1595, sem sucesso), os holandeses, também falharam em 1625.

Todas essas lutas dificultaram o seu desenvolvimento econômico: sua população foi estimada em menos de 50.000 habitantes em 1765.

No final do século XVIII, as reformas despotismo esclarecido serviram de inspiração para estimular o cultivo de cana-de-açúcar e do café.

Foram importados do trabalho escravo, e os colonos vieram das ilhas do continente e de outro lado do Caribe.

As guerras da Revolução e do Império, marcados por uma tentativa abortada do inglese para aproveitar a ilha, teve, entre outras conseqüências, atrair os colonos franceses da Louisiana e no Haiti. A população triplicou entre 1750 e 1800.

Não damos crédito por aqui para muita gente que lutou durante anos para acabar com a escravidão.

IMHO, a história da abolição da escravatura, precisa ser reescrita aqui no Brasil. Ou, no mínimo, colocada dentro de um contexto internacional.

Muitos fatos sobre uma das mais vergonhosas manchas na nossa história continuam até hoje sendo empurrados para debaixo do tapete aqui no Brasil.

Quase ninguém sabe que fomos o último país das Américas a acabar com essa vergonha e os recordistas mundiais do tráfico escravos africanos, cerca de 3,6 milhões de pessoas compradas entre os séculos XVI e XIX, de acordo com o Memory of the World da Unesco(link is externa

domingo, 19 de março de 2017

Um dia para não se esquecer, 21 de março de 1960. 69 mortos. 180 feridos. Todos negros.

O Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial
Em 21 de março de 1960, em Joanesburgo, na África do Sul, 20.000 pessoas faziam um protesto contra a Lei do Passe, que obrigava a população negra a portar um cartão que continha os locais onde era permitida sua circulação. Porem resultando em 69 mortos e 186 feridos.
O Massacre de Sharpeville foi divisor de águas na história do apartheid na África do Sul. Entre outras coisas, o terrível fato ocorrido 57 anos atrás acirrou demais os ânimos no país. Mais importante, abriu os olhos da comunidade internacional para a barbárie do regime da minoria branca contra a maioria negra.

Antes de falar do tétrico massacre, bom contextualizar a situação no país à época. Havia um grande partido opositor ao regime e representante da maioria negra, o Congresso Nacional Africano (CNA), aliás, o partido do então jovem Nelson Mandela.

No fim de 1959, o CNA anunciou, em conferência anual, que 1960 seria o ano da luta contra o passe. O famigerado passe – ou caderneta – existia há muito tempo. Antes, controlava os escravos. Depois, com a instauração do apartheid, passou a ser instrumento do governo contra os negros.

Se liga:Manifestação contra o apartheid acaba em carnificina em Johanesburgo. Policiais dispararam contra multidão desarmada cerca de 5 a 7 mil pessoas marchavam contra a obrigatoriedade das crianças falarem o língua “Afrikander”nas escolas e a lei do passe, algo como a nossa carteira de trabalho no Brasil, que nossa polícia e justiça sempre pede aos negros que abordam.

O documento continha foto, dados pessoais, números e registros profissionais, além de anotações sobre imposto de renda e ficha criminal. Os negros tinham de carregar os passes com eles sempre. E apresentar às autoridades sempre que solicitados. É. Já deu pra perceber o que isso causava…

Infelizmente hoje que o regime de segregação racial conhecido como apartheid vem conquistando lamentável lugar de destaque nas páginas do cada vez mais volumoso livro de calúnias da humanidade. Neste mês de março de 1960, porém, um novo capítulo nessa história de intolerância, discriminação e barbárie foi inscrita com o sangue dos negros pelas autoridades brancas da África do

Sul. No último dia 21, um protesto pacífico contra as leis do passe, incentivado pelas lideranças do Congresso Pan-Africanista e reprimido com violência pela polícia em todo o país, causou uma verdadeira carnificina em Sharpeville, a 45 quilômetros de Johanesburgo. Em uma ação desproporcional e covarde, as centenas de manifestantes que se aglomeravam em frente à delegacia de polícia local tornaram-se alvos vivos dos soldados do comando sul-africano. Revólveres, rifles e submetralhadoras, sem aviso prévio ou justificativa, cuspiram fogo contra a multidão...

Na véspera dos funerais, para evitar novos conflitos, o governo da África do Sul havia anunciado a suspensão da obrigatoriedade do porte do passe pelos negros. Esperançoso com o que parecia um primeiro ato de conciliação por parte da administração de Verwoerd, o planeta foi logo devolvido à realidade obtusa do apartheid com a declaração oficial de estado de emergência em 30 de março. Sob tal auspício, as autoridades sul-africanas voltaram à carga com prisões em massa – o número, ainda não oficial, é de 18.000 detidos, incluindo o líder do Congresso Pan-Africanista, Robert Sobukwe, e a quase totalidade dos cabeças do movimento negro –, além da criminalização das entidades políticas dos nativos. Uma passada de olhos pela história revela que, atuando na clandestinidade, as oposições não demoram a deixar a resistência pacífica em favor da armada. No ambiente incendiário em que se encontra a África do Sul, parece questão de tempo.

No início de março, o Congresso Nacional Africano (CNA) programou, para o último dia do mês, uma nova manifestação anti-passe. Antecipando-se a ela, os membros do Congresso Pan-Africanista (CPA) – fundado no ano passado por dissidentes do CNA –, liderados pelo educador metodista Robert Sobukwe, marcaram seu protesto sobre o mesmo tema para o dia 21, dez dias antes, portanto, da movimentação da associação rival. A campanha, de acordo com a orientação de Sobukwe, deveria ser totalmente pacífica. Todos os africanos deveriam deixar seus passes em casa e, desarmados, comparecer às delegacias de polícia, entregando-se aos oficiais para serem presos. Os líderes do CPA acreditavam que a detenção massiva de negros resultaria numa pane do sistema: não apenas as prisões ficariam superlotadas, mas também a economia seria bruscamente afetada, com boa parte da força de trabalho no cárcere.

O CNA, portanto, queria marcar o dia 31 de março como uma demonstração nacional contra as leis do passe. No entanto, o Congresso Pan-Africanista (PAC), uma dissidência do CNA fundada no final de 1959, sob liderança de Robert Subukwe, resolveu se antecipar e organizou um protesto pacífico para o dia 21.

“É patética a fé do governo em metralhadoras para resolver problemas humanos básicos.” O bispo anglicano de Johanesburgo apelou “a todos aqueles que têm sentimentos humanos na África do Sul para combater as táticas policiais.” No entanto, o mais simbólico, contundente e representativo protesto contra a administração federal veio por cortesia de uma manifestação de mais de 500 estudantes brancos da Universidade de Natal, em Durban. Os jovens mandaram confeccionar cartazes nos quais, em menos de 30 caracteres e com uma lapidar frase sem verbo, resumiam a indignação de um planeta: “Hitler 1939, Verwoerd 1960”. Nada mais precisa ser dito. Mas algo precisa ser feito para que se evite, duas décadas depois, a repetição de tal aberração.

Em memória a este massacre a Organização das Nações Unidas – ONU – instituiu 21 de março o dia Internacional de Luta contra a Discriminação Racial.
"Há de 57 anos… dia 21 de março de 1960, 69 mortos. 180 feridos. Todos negro".
Uma afro abraço.
Claudia Vitalino.
REBELE-SE CONTRA O RACISMO!

fonte:http://www.pordentrodaafrica.com/noticias/por-dentro-da-historia-o-massacre-de-sharpeville-durante-o-apartheid/fotos net

domingo, 12 de março de 2017

Nossa gente nossa historia:Amílcar Cabral

"(...) sentimento de protesto, nascido da inadequação dos valores culturais próprios às situações de opressão e discriminação (...). conduziu à emergência da revolta que se afirmaria como traço
distintivo da sua personalidade e factor de formação do revolucionário consequente em que se tornou. Ainda na juventude, estes valores e este espírito traduziram-se em formas de expressão que vão de incursões no campo da literatura à intensa actividade de divulgação cultural! É uma produção literária, quer em verso quer no domínio da ficção, a traduzir um engajamento com a realidade circundante, é a preocupação do estudante de agronomia a debruçar-se na área da sua especialidade, sobre o fenómeno da erosão, problema candente na luta pela sobrevivência do povo caboboverdiano, e a animação cultural através de programas radiofónicos de forte penetração popular que, alertada, a autoridade colonial suspende."

Amílcar Lopes Cabral (poeta, político, e agrônomo). nasceu em 12 de setembro de 1924 em Bafatá, na Guiné, filho de Juvenal Lopes Cabral e de Iva Pinhel Évora. Aos 12 anos de idade junta-se ao pai, que nessa altura já havia regressado a Cabo Verde, e efetua os seus estudos primários na Rua Serpa Pinto, na Praia. Seguidamente inscreve-se em São Vicente no liceu Infante D. Henrique onde termina os estudos liceais em 1944, classificado como o melhor aluno. Ainda na sua juventude, Cabral evidenciava já uma especial avidez pela percepção do mundo que o rodeava, fato que se espelhava nos seus dotes de poeta e de escritor. Os seus sentimentos nacionalistas eram vistos com reprovação pelas autoridades coloniais.

Em 1945, Cabral é um dos primeiros jovens das colônias portuguesas a ser contemplado com uma bolsa para freqüentar os estabelecimentos de ensino superior em Portugal e matricula-se no Instituto Superior de Agronomia em Lisboa. A vida de estudante constituiu uma oportunidade para aprofundar o seu sentimento progressista anti-colonial, participando ativamente nas atividades estudantis clandestinas que se desenvolviam à volta da Casa dos Estudantes do Império e da Casa de África; foi aí que veio a conhecer Marcelino dos Santos, Vasco Cabral, Agostinho Neto, Eduardo Mondlane e outros estudantes que viriam a ser futuros líderes dos movimentos de libertação.
Estando de férias em Cabo Verde, em 1949, Cabral participa na Rádio-Clube elaborando um conjunto de programas de índole cultural que logo são interditados pelas autoridades, devido à sua mensagem nacionalista que era bem acolhida sobretudo no seio dos jovens.

Regressando a Lisboa para continuar os estudos, Cabral retoma as suas atividades
políticas, com os estudantes africanos, não obstante a vigilância cerrada e as ameaças cada vez mais insinuantes da polícia política portuguesa, a PIDE (Polícia Internacional e de Defesa do Estado).
Em 1952 Cabral terminou o curso e casou-se com Maria Helena Atalaide Vilhena Rodrigues.
No início de 1953 Cabral é colocado como engenheiro agrônomo na Guiné-Bissau, para trabalhar na estação agrária experimental de Pessubé. Ele aproveita-se então da sua atividade profissional para percorrer a Guiné de ponta a ponta e adquirir um bom conhecimento do terreno bem como da constituição social das suas populações; é Cabral quem realiza o primeiro recenseamento agrícola dessa colônia portuguesa.
"Era natural (...) que com a morte do famoso estadista e intelectual africano, biógrafos e outros investigariam todas as facetas pertinentes da vida pública e particular de Amílcar Cabral. Deste modo, a revelação mais ampla de Cabral o poeta, além de ser uma homenagem ao herói martirizado, faz parte da restituição da história de Cabo Verde (...) na inter- secção das três esferas. A projecção da poesia de Cabral é uma incorporação, consciente ou inconsciente, de um modo quase esquecido e de uma visão retros- pectiva deste momento."

Depois de ter militado durante cerca de um ano no MING (Movimento de Libertação Nacional da Guiné), Amílcar Cabral decide fundar o PAIGC (Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde), a 19 de setembro de 1956.
Um ano mais tarde, Amílcar Cabral foi trabalhar em Angola e aí participou também na criação do MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola) em Luanda, tendo desenvolvido uma intensa atividade na mobilização de jovens angolanos para a luta contra a dominação colonial.
Em dezembro de 1957, Cabral viaja para Paris onde se encontra com Marcelino dos Santos, da FRELIMO (Frente de Libertação de Moçambique), e com Lúcio Lara, Mário de Andrade e Viriato da Cruz, do MPLA. Juntos resolvem então realizar a primeira reunião de concertação entre os movimentos de libertação das colônias portuguesas, na qual decidem cooperar em atividades conjuntas no campo internacional e criar em Lisboa um centro que
coordenaria as ações entre esses movimentos. Na seqüência dessa reunião, Cabral ao regressar de Paris passa por Lisboa onde mobiliza os estudantes nacionalistas africanos para criarem o MAC (Movimento Anti Colonialista), primeira organização clandestina formada em Portugal por estudantes oriundos das colônias portuguesas.
Cabral desenvolve nessa altura uma série de contctos visando buscar apoios externos para a luta contra a dominação colonial.

Depois do massacre de Pidjiguiti realizado em Bissau pelas forças coloniais de repressão, a 3 de agosto de 1959, ele resolve regressar à Guiné-Bissau onde reúne a direção do PAIGC para analisar a situação da luta no país. Fica então decidido que o PAIGC deveria dar atenção prioritária à mobilização das populações rurais, com vista à preparação de condições para a passagem à luta armada, já que a repressão colonial havia demonstrado não admitir nenhuma veleidade de contestação legal ao sistema.

Em 1960, Cabral decide fugir com os seus companheiros para a Guiné-Conakry onde passaria a ficar instalada a sede do PAIGC. A partir desse país ele trabalha ativamente nos preparativos para o reforço do PAIGC e o arranque da luta armada de libertação nacional.
Em abril de 1960, em Casablanca, ele participa na criação da Conferência das Organizações Nacionalistas das colônias Portuguesas - CONCP.

-Durante cerca de três anos Amílcar Cabral desenvolve uma intensa atividade de mobilização das populações no interior da Guiné, ao mesmo tempo que, no campo internacional desenvolve contatos para a obtenção dos apoios indispensáveis para a passagem a uma nova fase de luta.
A 23 de janeiro de 1963 inicia-se a luta armada na Guiné-Bissau.
Revelando-se um homem de grande capacidade intelectual e dotado de uma firme convicção na luta pela liberdade e a justiça social, Amílcar Cabral dedicou todos os seus esforços em prol da independência dos povos da Guiné e de Cabo Verde. De forma genial ele conseguiu conjugar os sucessos que se iam alcançando no terreno da luta militar na Guiné e no da luta política clandestina em Cabo Verde, com o desenvolvimento de uma ação diplomática que ele pessoalmente conduziu da forma mais eficaz.

Vários acontecimentos cruciais durante os anos da luta de libertação nacional constituem hoje datas marcantes da história de Cabo Verde cuja ocorrência se deve fundamentalmente à ação incansável de Amílcar Cabral. De entre eles podemos destacar:
• a elaboração em 1965 das "Palavras de Ordem" do PAIGC destinadas aos combatentes;
• o juramento de fidelidade realizado a 15 de janeiro de 1967, pelo primeiro grupo de 30 cabo-verdianos que receberam formação militar, com vista à preparação para a luta em Cabo Verde;
• a realização do Seminário de Quadros do PAIGC, em 1969;
• o reconhecimento do PAIGC pelas mais altas instâncias internacionais;
• o encontro do Papa em Roma, com os dirigentes dos movimentos de libertação das colônias portuguesas, em 1972;
• a preparação da independência da Guiné-Bissau

-Devido ao sucesso inquestionável que a sua ação vinha conseguindo, fazendo com que o sistema colonial português se sentisse cada vez mais desesperado no plano interno e mais isolado no plano internacional, Amílcar Cabral foi barbaramente assassinado a 20 de janeiro de 1973, por agentes a soldo do colonialismo.

Um afro abraço

Claudia Vitalino.

fonte:Gazeta do Racionalismo Cristão (Colaboração de Manuel ROCHA, fevereiro de 2007. Dados extraídos do livro Liberdade, ainda e sempre ..., de autoria da Associação dos Combatentes da Liberdade da Pátria (ACOLP), editado em julho de 1997).

Curiosidade: Significados de Alguns nomes próprios femininos Africanos...

FEMININOS :

ABBA: Nascida Na Quinta-Feira (Gana)
ABEBA: Flor (Etiópia)
ABENA: Nascida Na Terça-Feira (Gana)
ACAI: Timidez (Sudanese)
ADA: Nascida Primeiro ( Nigéria)
ADANNA: Filha Amorosa Do Pai
ADEBANKE: Deus Está Cuidando Dela (Yoruba Da Nigéria)
ADEBUMI: Riqueza (Realeza) (Nigéria)
ADENIKE: A Coroa É Amorosa, Afetuosa (Yoruba Da Nigéria)
ADEOGA: Coroa de Glória (Yoruba Da Nigéria)
ADEOLA: Coroada De Honras (Nigéria)
ADETOKUMBO: Honra Que Veio De Além Dos Mares (Yoruba Da Nigéria)
ADETOUN: Princesa (Yoruba Da Nigéria)
ADHIAMBO: Nascida À Noite Depois De Por Do Sol (Luo Do Quênia)
ADJOA: Nascida Na Segunda-Feira (Gana)
ADOWA: Nobre
ADUOA: Paz (Gana)
AFUA: Nascida Na Sexta-Feira
AFYA: Saúde (Kiswahili)
AGUIDI: Bem-Estar (Ovelha Da Gana)
AINA: Nascida Com O Cordão Umbilical Em Volta Do Pescoço (Yoruba Da Nigéria)
AINKA: A Estimada (Tonga)
AISHA: Ela É Vida (Swahili)
AJA: Alta Sacerdotisa De Mecca
AKILAH: Inteligente, Que Tem Razões
AKOSUA: Nascida No Domingo (Ahsanti Da Gana)
AKYA: Nascida Na Quarta-Feira (Gana)
AMACHI: Quem Sabe O Que Deus Nos Trouxe Através Desta Criança (Ibo Da Nigéria)
AMARA: Ibo Da Nigéria Oriental
AMINA: Confiável, Honesta (Oeste da África)
AMINATA: (Senegal)
AMINIA: Acreditar ( Kiswahili)
AMMA: Nascida No Sábado (Ashanti Da Gana)
ANAYA: Olhar Para Deus (Ibo Nigéria Oriental)
ANELE: Bastante, Suficiente {Nome Normalmente Dado À Última Nascida, nunca para A 1° Ou 2° Criança} (Xhosa Da África Do Sul)
ANULIKA: Felicidade É A Melhor (Ibo Nigéria Oriental)
ANYANGO: Amiga (Af Do Quênia)
ARMANI: Derivado De Imani Quer Dizer Fé

ASABI: De Nascimento Seleto (Yoruba Da Nigéria)
ASHAKI: Bonita (Ocidental)
ASHANTI: Mulher Africana Forte (Gana)
ASSAGGI: Forte (Zimbábue)
AYAN: Brilhante (Somália)
AYANA: Flor Bonita (Etíope)
AYO: Alegria (Yoruba Da Nigéria)
AYOMIDE: Minha Alegria Chegou (Yoruba Da Nigéria)
AZA: Poderosa Swahili
AZINZA: Sereia (Togo)
AZIZA: Preciosa, Magnífica Kiswahili, Somali
AZMERA: Colheita (Etiópia)
BABA: Nascida quinta-feira
BADERINWA: Merecedora de respeito
BADU: Poderosa
BAHATI: Minha sorte é boa
BAHIYAH: Bonita (swahili)
BAINA: Reluzente
BAYO: Alegria encontrada
BECCA: Profetiza
BEJIDE: Criança nascida no tempo chuvoso
BESEDE: Nascida no domingo
BHEKISISA: Cuidadosa (zulu da África do sul)
BIKILU: Crescida ou grande (Etiópia)
BIMKUBWA: Grande dama
BINAH: Uma dançarina
BINTA: Com Deus (africano do oeste)
BINTU: Bonita (Costa do marfim/Senegal)
BISA: Muito amada
BOAHINMAA: A que deixou sua comunidade
BUKOLA: Riqueza nascente (yoruba da Nigéria)
BUNMI: Meu presente
BUSARA: Sabedoria
CHALONDRA: Esperta
CHALTUU: 1° menina nascida (oromo-kush)
CHANECIA: Esperta e bonita
CHANGA: É prevalecente
CHANYA: Quênia
CHARA: (Etiópia sul ocidental)
CHAUSIKU: Nascida à noite
CHAUSIKU: Nascida da noite
CHIAKA: Deus diz ( ibo da Nigéria)
CHIDERIA: O que Deus escreveu está escrito (Nigéria)
CHIDIMA: Deus é bom e maravilhoso (Ibo da Nigéria)
CHIKU: Falante (swahili)
CHIMWALA: Pedra
CHINAKA: Deus decide (Nigéria)
CHINARA: Deus pode receber (ibo da Nigéria)
CHINELO: Deus está pensando ( ibo da Nigéria)
CHINU: A própria bênção de Deus
CHINUE: Benção de Deus
CHINYERE: Presente de Deus (Ibo de Nigéria)
CHIOMA: Deusa bonita
CHIPO: Presente.
CLEOPATRA: Rainha negra (Egito antigo)
DACIA: Flor púrpura
DADA: Criança com cabelos ondulados
DADA: Irmã (kiswahili)
DAFINA: Presente (inesperado) / tesouro
DALILA: Gentileza é sua alma
DALJI: Caminhe graciosamente (swahili)
DAMTIEN: Santificada (moba de Costa de marfim)
DANUWA: amiga íntima
DARA: Bonita (bermudian)
DARRATU: Flor desabrochando (etiópia)
DAYO: Alegria alcançada
DEKA: A agradável (somali)
DERICIA: Atlética (americano africano)


DJIDADE: Desejada
DO: Primeira criança depois de gêmeos
DOFI: Segunda criança depois de gêmeos
DOLAPO: Benções e felicidade misturadas (yoruba da nigéria)
DOTO: Criança mais jovem do que os gêmeos
DUT: Consolação (dinka do sudão)
DZIKO: O mundo
EBIERE: Onda (níger)
EFFIWAT: Nigéria
EFIA: Nascida na sexta-feira (Gana)
ELON: Deus me ama
EMEFA: Existe a paz (ovelha da Gana)
ENO: Dádiva (efik da Nigéria)
ESHE: Vida (swahili)
ESI: Nascida no domingo (ovelha e fante da Gana)
ESIANKIKI: Jovem solteira (masai do Quênia)
ESINAM: Deus me ouviu (ovelha da Gana)
ETUHOLE: Deus nos ama. (oshiwambo da Gana)
FAIZAH: Ela Que É Vitoriosa (Swahili)
FARA: Nível Medido(Kiswahili)
FARAA: Alegre
FARAI: Ser Feliz(Shona Da Zimbábue)
FARISA: Fazer Feliz
FAYOLA: Sorte Caminha Com Honra (Yoruba Da Nigéria)
FEIMATA: Me Ame (Sierra Leoa)
FEYKEMI: Santificada Com Esta...(Yoruba Da Nigéria)
FOLAYAN: Andar Com Dignidade
FOLUKE: Colocada Aos CuidadosDe Deus (Yoruba Da Nigéria)
FUJO: Nascida Depois De Disputa
FUNMILAYO: Deu-Me Felicidade (Yoruba Da Nigéria)
GIMBYA: Princesa
GINA: Mãe Poderosa do povo negro (Namibia)
GOITSEMEDIME: Deus sabe
GZIFA: Aquela que está em pedaços (Ovelha De Gana)
HABEN: Coragem(Eritrea)
HADIYA: Dádiva(Swahili)
HALIMA: Suave(Swahili)
HANNA: Felicidade(Hausa)
HASANA: Primeira nascida dos gêmeos (África Ocidental)
HASANATI: Felicidade
HASINA: Bondosa(Swahili)
HAWA: Desejada (Kiswahili)
HAZIKA: Inteligente (Hausa)
HEMBADOON: Vencedora
HOLA: Salvadora(Gana)
HOMA: Agitada (Kiswhaili)
HOVA: Classe Média (Betsileo de Madagascar)
IDOWU: Primeira criança nascida depois de gêmeos
IFAMA: Tudo está bem
IFE: Amor
IGE: Nascida primeiro pelos pés
IJABA: Um desejo que cumpriu
IMA: Amor, caridade (efik da Nigéria)
IMAN: Fé (Somália)
IMANI: Fé (kiswahili)
IRUWA: Aquela que viu o mundo (ibo da Nigéria)
ISOKE: Um bonito presente de deus (Nigéria)
IZEGBE: Criança muito esperada
JAHA: Dignidade
JAHZARA: Princesa Santificada (Etiópia)
JAINEBA: (Senegal)
JALA: Especial (Americano Africano)
JALIA: Privilégio (Kiswhaili)
JAMILA: Bonita, Elegante (Somália, Swahili)
JANI: Uma Folha (Kiswahili)
JENDAYI: Agradecida
JOHARI: Jóia (Kiswahili)
JUBA: Nascida Na Segunda-Feira (Ashanti de Gana)
JUMAPILI: Nascida No Domingo
KAGISO: Paz (Tswana - Botsuana )
KAHFI: Quieta(Swahili )
KAIMAH: Muito pequena (Libéria)
KAINDA: Filha do caçador (Tharaka Do Quênia )
KAJUMBA: Bonita (Bantu Uganda)
KAKRA: A mais jovem dos gêmeos (Fante de Gana)
KALIFA: Brilhante (Swahili)
KAMARIA: Como a lua (Swahili)
KAMBAMI: O filho que fala pelo Pai ( Kimbundo- Angola)*
KAMBO: Sem sorte (Shano De Zimbawe)
KAMILAH: A perfeita
KAMILI: Perfeição
KAMOHELO: Bem-vinda (Sotho Da África Do Sul)
KANIKA: Roupa preta (Mwera Do Quênia)
KANONI: Pequeno pássaro
KARASI: Vida e Sabedoria
KARIMU: Generosa
KAWERIA: Amorosa (Meru Do Quênia)
KAYLA: Pura
KEFILWE: Eu Sou determinada
KEHINDE: Segundo nascida Dos gêmeos
KELI: Enérgica (Senufo da Costa Do Marfim)
KENYETTA: Inocente (África Do Sul)
KEREEDITSE: Eu estou escutando (Batswana)
KESI: Nascida depois de transtorno do pai
KEYAH: Tem boa saúde (Mande Da África Ocidental)
KHADIJA: Esposa do profeta Mohammed
KHANYSHA: Criança bonita (Swahili)
KIANGA: Luz do sol
KIJAKASI: Sua Vida é devida A nós
KIMANI: Doce E bonita (Americano Africano)
KINAH: Obstinada, empreendedora
KISSA (KIXA): Primeira filha da família (Quênia)
K'TUSHA: Alegria
KUKUA: Nascida na Quarta-Feira (Gana)
KUMANI: Destino (África Ocidental)
KUNTO: Terceira criança (Twi de Gana)
KWAVERA: Alvorecer, amanhecer (Swahili)
LATASHA: Surpresa (Congo)
LAYLA: Nascida de noite
LEKYSHA: Popularidade, beleza (Porto Rico)
LERATO: Amor
LEZA: Aquela que enfeita (África Central)
LINA: Tenra
LINDIWE: Esperada (xhosa da África do sul)
LINGAIRE: Princesa do século 4 (wolof de Gâmbia)
LISHA: Misteriosa (hausa - Nigéria)
LULU: Uma pérola
LUNGILE: Bondosa (zulu da África do sul)
MAFUANE: Tingida (Bachopi, África do Sul)
MAISHA: Vida (Kiswahili)
MAKENA: A Feliz (Kikuyu do Quênia)
MAKIDA: A Bonita (Etiópia)
MALAIKA: Anjo (Kiswahili)
MALI: Riqueza (Kiswahili)
MALKIA: Rainha (Kiswahili)
MAMELLO: Paciência (Lesoto)
MANDISA: Doce, meiga (Xhosa da África do Sul)
MARA: Tempo (Kiswhaili)
MARAHABA: Obrigado (Kiswahili)
MARALI: Essência (Antígua e Barbuda))
MARDEA: Última (Gana)
MARIAMA: Presente de Deus (África Ocidental)
MARJANI: Coral (Swahili)
MARVENA: Criança de dois planetas (Anguilla)
MBHALI: Rosa (Zulu da África do Sul)
MEECA: Será de ouro, forte, valente
MENE: A que nunca está só (Yoruba Da Nigéria)
MESI: Água (Asante)
MILUMBE: Novidades de benções (Tonga)
MINKAH: Justiça (Tanzânia)
MMAABO: Sua mãe (Botsuana)
MOLIEHI: A que era aguardada (Basotho do Lesoto)
MONIFA: Eu tenho sorte (Yoruba da Nigéria)
MONTSHO: Negra
MUDIWA: Pessoa querida (Shona da Zimbábue)
MUMBI: Primeiras das mulheres (Kikuyu Do Quênia)
MUTINTA: Criança nascida depois de duas ou mais crianças do sexo oposto (Tonga)
MWANGAZA: Ilumina (Swahili)
MYEISHA: A que é muito amada
NADIFA: Nascida entre estações (Somália)
NADIRA: Rara
NADRA: Incomum Kiswahili
NAFULA: Nascida durante a estação chuvosa (Abaluhya - Quênia)
NAJA: Quem terá sucesso (Somália)`
NAKI: Primeira menina (Adangbe Da Gana)
NAKISAI: Embeleza (Shona do Zimbábue)
NALA: Rainha (Tanzânia)
NANDE: Mãe (Chaka Zulu)
NANYAMKA: Presente de Deus (Gana)
NA'WEH: Caminhou antes (Libéria)
NA'ZYIA: Amor de uma mãe (Quênia)
NBULUNGI: Bonita (Gana)
NDAHEPULUKA: Me tornei mais rico (Ovambo da Namibia)
NDAPEWA: Ofertada, recebida (Oshiwambo da Namibia)
NDIDI: Paciência (Nigéria)
NEFERTITI: A bonita chegou (Egípcio)
NEHANDA: Firmeza, solidez (Zezuru do Zimbábue)
NGINA: Dedicada à uma rainha (Americano Africano)
NGONI: Clemência de Deus (Shona do Zimbábue)
NIA: Desígnio (Kiswahili)
NILAJA: Que vem com alegria (Yoruba da Nigéria)
NJEMILE: Em pé (Malauí)
NJERI: Filha do guerreiro
NKECHI: Leal (Ibo da Nigéria)
NNEKA: Mãe é Suprema (Ibo da Nigéria)
NOMBUSO: Que tem reino / Celebração jovial (Zulu da África do Sul)
NOSINE: Nascida na Quinta-Feira (Xhosa - África do Sul)
NOURBESE: Criança maravilhosa (Benin - Nigéria )
NTATU: Nascida na Quarta-Feira (Xhosa da África do Sul)
NÚBIA: Mulher negra, forte, original, mãe de uma nação (Egito)
NWEKA: Mãe é suprema (Ibo da Nigéria)
NYARAI: Ser humilde (Shona da Zimbábue)
NYASHIA: Princesa africana bonita de propósito (Swahili)
NYELA: Um que tem sucesso ou persevera (Somália)
NYOTA: Guerreira
NZINGA: Do rio
OBAX: Flor (Somália)
OBIOMA: Bom coração (Ibo Da Nigéria)
OGECHI: O tempo de Deus é o melhor tempo ( Ibo Nigéria)
OHENEWAA: Rainha (Guan ou Kyereponi de Gana)
OLABISI: Alegria multiplicada
OLABUNMI: Minha honra foi recompensada
OLANIYI: Existe gloria na riquesa
OLAYINKA: A honra me cerca (Yoruba, Krio de Serra Leoa)
OLUCHI: A arte, obra de Deus
OLUFUNMILAVO: Deus me dá a alegria
OLUREMI: Deus me consola (Yoruba da Nigéria)
OLWA-SEYI: Deus a fez (Yoruba da Nigéria)
OMOSUME: Uma criança é a coisa mais preciosa
ONA: Fogo (África Ocidental)
ONAEDO: Ouro (Ibo)
ONI: Nascida em domicílio sagrado
ONTIBILE: Deus está me vigiando (Botsuana)
ONYINYECHI: Presente de Deus (Igbo da Nigéria)
OZIGBODI: Paciência
PAMOJA: Unida Swahili
PANYIN: Mais Velha Dos Gêmeos (Fante - Gana)
PENDA: Amada (Fula - Senegal)
PHENYO: Vitória (Batswana)
PONI: Segunda Filha (Bari De Sudão Do Norte)
QWALHATA: Rainha núbia que governou o Egito na xxv dinastia.
QWARA: Pessoa que fala o idioma cushitic na Etiópia
RACHIDA: Íntegra, Honesta (Swahili)
RADHIYA: Agradável (Swahili)
RAHA: Felicidade (Kiswahili)
RAMAKEELE: Veio para nós de surpresa (Sotho da África do Sul)
RAMLA: Profetiza (Swahili)
RANDA: Dançar (Kiswahili)
RASHIDA: Íntegra, honesta (Ilhas Virgem)
RATIBA: (Marrocos)
RAZIYA: Doçura, agradável (Swahili)
REHEMA: Compaixão (Kiswahili)
RHAXMA: Doce (Somali)
RUKIVA: A Que sobe alto (Swahili)
RUSHA: Libertar-se (Kiswahili)
SAADA: Útil, que ajuda, auxilia
SAFIYA: Pura
SAIDA: Prestativa (Swahili)
SALAMA: Paz
SAMIA: Pessoas de Uganda
SANJO: A que aprecia seu passado (Yoruba)
SANKOFA: A que deve voltar ao passado para seguir adiante. (Akan de Gana)
SANYO: Alegria ou felicidade (Baganda de Uganda)
SARAN: Alegria (guiné e Costa do Marfim)
SAÚDA: Beleza escura (Swahili)
SAYBLEE: Fique em casa (Libéria)
SEBLE: Colheita (Amhara da Etiópia)
SEKAI: Sorriso (Zimbábue)
SELA: Salvadora (África Ocidental)
SELAM: Paz (Eritrea)
SEMA: Falar (Kiswahili)
SERWA: A nobre (Gana)
SESEN: Desejar mais (Eritrea)
SHAKARRI: Grande caçadora (afro-americano)
SHAKIA: Semelhante à sua mãe (Afro-americano)
SHAKINA: Bonita
SHAKIR: Nascida na graça de deus (Nigéria)
SHANI: Maravilhosa (Swahili - África Oriental)
SHAQUANA: Verdade da vida (Afro-americano)
SHARIFA: Distinta (Swahili - África Oriental)
SHARTATI: Montanha mais bonita (Etiópia)
SHATEQUE: Seguidora (Afro-americano)
SHEBA: Rainha de Sheba (Makeda)
SHENA: Quieta,calma, reservada (Tutsi de Ruanda)
SHOORAI: Vassoura que varre (Shona - Zimbábue)
SHUKURA: Eu sou grata
SIKUDHANI: Agradável surpresa
SISI: Nascida no domingo (Twi da Nigéria)
SIYANDA: Nós estamos crescendo (Zulu da África do Sul)
SUSHAUNNA: Princesa / deusa dos homens (Etiópia)
TAARIQ: Estrela matutina (Swahilli)
TAFUI: Glória a Deus (Mina do Togo)
TAJA: Para mencionar (Kiswhili)
TAKIYAH: Íntegra
TAMU: Doce (Swahili)
TANGELA: Atenciosa (Afro-Americano)
TANGENI: Deusa de elogio (Ovambo Da Namibia)
TANGINIKA: Deusa do lago (Afro-Americano)
TANISHA: Nascida na Segunda-Feira (Hausa da Nigéria)
TAPIWA: Presente, dádiva (Shona do Zimbábue)
TARANA: Nascida durante o dia (Hausa da Nigéria)
TARISAI: Olhe, olhar para (Zimbábue)
TATA: Envolvente (Kiswahili)
TATU: Terceira filha (Swahili)
TAWIAH: Primeira depois de gêmeos (Gana)
TENDAI: Grata a Deus (Shona do Zimbábue)
TEREHASA: Santificada (Etiópia)
THANDIWE: Rainha amorosa
THEMA: Rainha
TIOMBE: Tímida (Africano do Oeste)
TITILAYO: Felicidade eterna (Yoruba Da Nigéria)
TSEHAI: Raio de sol (Etiópia)
TSHEPISO: Uma promessa (Tswanna da África do Sul)


TUMPE: Deixe agradecermos à Deus
TUSAJIGWE: Nós somos abençoados
TUWALOLE: Exemplar
UBEKWENISHA: Mãe da íntegra (Yoruba)
UBORO: Excelência (Kiswahili)
UCHENNA: Será de Deus (Ibo da Nigéria)
UDAKO: Respeito aos anciães (Namimbia)
UDAMA: Bonita flor (Argélia)
UGOCHI: Presente de Deus (Nigéria)
ULU: Segunda Filha (Ibo da Nigéria)
URBI: Princesa
URENNA: Orgulho do Pai
URUHU: Liberdade (Kiswahili)
UWIMANA: Filha de Deus
UZURI: Beleza (Swahili)
VAI: Pessoa de Serra Leoa
VANA: Privilégio (Congo)
VASHA: Língua da África do Sul
VENDA: Pessoa (Bantu da África do Sul)
WALASMA: Nome de uma família real que governou a Etiópia Oriental
WAMBUI: Cantante (Kikuyu Do Quênia)
WANDA: Ficar gorda (Kiswahili)
WANGUI: Uma Das Nove Filhas De Gikuyu E Mumbi*
WANJIKO: Kikuyu do Quênia
WANJIRU: (Kikuyu do Quênia)
WUB: Magnífica, bonita (Etiópia)
XETSA: Nome dado a uma de duas gêmea (Ewe De Gana)
XHOSA: Umas pessoas na África do Sul
YA: Nascida na Quinta-Feira, Valente, Corajosa (Akan Da Gana)
YAHMINAH: Propriamente com respeito (Egito)
YATIMA: Orfã (Kiswahili) -Ye
YEJIDE: A imagem da mãe

MASCULINOS :
ABASI: Severo, rigoroso
ABAYOMI: Nascido para me trazer alegria.
ABIMBOLA: Nascido rico. (Yoruba da Nigéria)
ADDO: Monarca da estrada (Gana)
ADE: Real
ADISA: Nos ensinará (Ashanti Gana)
ADJATAY: Príncipe (Camarões)
ADOFO: Que ama (Akan Gana)
AJENE: Verdade
AKELLO: Traga adiante (Alur De Uganda)
AKIA: Primeiro a nascer
AKIL: Inteligente, usa a razão (Swahili)
AKIN: Homem valente, guerreiro, herói (Yoruba da Nigéria)
AMANI: Paz (Kiswahili)
AMARA: (Ibo da Nigéria Oriental)
AMARI: Forte e construtor (Yoruba da Nigéria)
AMIR: Príncipe (Swahili)
ANWAR: Lustroso, brilhante (Moor)
ASAD: Leão (Somália)
ASANTE: Agradecido, grato (Kiswahili)
ATSU: O mais jovem entre gêmeos (Gana)
ATU: Nascido no sábado (Fante de Gana)
AYO: Alegria
AYODELE: Alegria vem ao lar (Yoruba da Nigéria)
AYUBU: Perseverante
AZEKEL: Rezando ao Senhor (Angola)
AZIBO: O planeta terra inteiro
AZIKIWE: Cheio de vigor
AZIZI: Precioso
BABA: Pai ou filho mais velho (Yoruba)
BABTUNDE: Pai retornou
BABU: Disposto (Africano do Oeste)
BABUKAR: (Wolof do Senegal)
BADU: Décimo filho (Ashanti de Gana)
BAKARI: O Que Terá Sucesso (Swahili)
BANDELE: Nascido longe da casa
BANGA: Espada
BASSEY: Efik da Nigéria
BEM: Paz
BERTA: Forte, vigilante (Gurage da Etiópia)
BIKILA: Grandalhão, crescido (Etiópia)
BIKO: Steven Biko, um antigo ativista político da África do Sul
BOBO: Nascido Terça-Feira (Fante de Gana)
BOLAJI: (Yoruba da Nigéria)
BOMANI: Guerreiro
BOSEDA: Nascido no Domingo
BRUK: Ele é Sagrado (Etiópia)
BWANA: Cavalheiro, senhor (Kiswahili)
CARAMA: Professor (África Ocidental)
CHAD: De grande amor (Etiópia)
CHAGA: Prevalecente (Kiswahili)
CHAKA: Grande monarca (África do Sul)
CHEGE: (Kikuyu do Quênia)
CHEIKH: Aprendeu (Guiné)
CHEOPS: Um faraó da iv dinastia do Egito
CHEWE: Pessoa querida (Etíope)
CHICHA: Amado, querido (África Ocidental)
CHIMEZIE: Deus conserta as coisas como ele deseja (Ibo da Nigéria)
CHINEDU: Primeiro filho (Ibo Da Nigéria)
CHINUA: Bênções de Deus (Ibo da Gana)
CHIOKE: Abençoado pelos deuses
CHISULO: Forte como aço
COFFIE: Nascido na Sexta-Feira
COUJOE: Nascida na Segunda-Feira
DAKARAI: Alegria
DALMAR: Versátil (Somali)
DANJUMA: Nascido Sexta-Feira
DANSO: Confiante, seguro (Ashanti Da Gana)
DAREN: Nascido de noite (Hausa da África Ocidental)
DIA: Campeão (África Ocidental)
DIARA: Presente, dádiva (África Ocidental)
DIJI: Fazendeiro (Ibo da Nigéria)
DINARI: Nossa estrela brilhante
DUME: O touro (Quênia)
DUMISANI: Louva (Zulu da África do Sul)
EBO: Nascido na Terça-Feira
EDET: Nascido em dia de mercado (Efik Da Nigéria)
EFUNSEGUN: Criança de Obatala (Yoruba Da Nigéria)
EHIOZE: Acima da inveja dos outros
EKOW: Nascido na Quinta-Feira (Fante Da Gana)
EKUNDAYO: Torna duelo em alegria
ENO: Presente (Nigéria)
ERASTO: Homem de paz (África Oriental)
ESSIEN: A criança de todos (Efik da Nigéria)
ESTRONDO: Grande (Congo)
EZE: Rei
FARAJI: Consolo, alento (Swahili)
FELA: Guerreiro (Africano do Oeste)
FIFI: Nascido na Sexta-Feira
FONTE: http
FYNN: Gana
GAHIJI: Caçador
GAHIJI: Caçador
GAMBA: Guerreiro
GAMBA: Guerreiro
GANA: Chefe de Guerra
GANA: Chefe de Guerra
GEBRE: Oferta, oferecimento (Tigrinya)
GEBRE: Oferta, oferecimento (Tigrinya)
GETEYE: Meu mestre (Amharic)
GETEYE: Meu mestre (Amharic)
GHALI: Caro (Kiswahili)
GHALI: Caro (Kiswahili)
GHEDI: Viajante (Somali)
GHEDI: Viajante (Somali)
GUEDADO: Procurado por Ninguém (Fulani de Mali)
GUEDADO: Procurado por Ninguém (Fulani de Mali)
GYAMFI: Ashanti da Gana
GYAMFI: Ashanti da Gana
GYASI: Maravilhoso
GYASI: Maravilhoso
IDOWU: Nascido depois dos gêmeos
IKE: Força (Ibo Da Nigéria)
INIKO: Nascido em tempos difíceis (Efik Da Nigéria)
IPYANA: Graça divina
ISSA: O Messias (Swahili)
IYASU: (Tigrinya Da Etiópia)
JAALI HRU RA HOTEP: Poderoso sol, deus da paz (Núbio)
JABARI: Valente, forte (Suazilândia)
JABULANI: Feliz
JAFARI: Digno (Swahili)
JAHARI: Jovem forte e poderoso (Afro Americano/Porto Rico)
JAHI: Dignidade (Swahili)
JAJA: Presente de Deus (Ibo da Nigéria)
JAWARI: Paz amorosa (Senegal)
JELA: O pai sofreu durante o nascimento (Swahili)
JELANI AGYEI: Mensageiro poderoso
JIMA: (Etiópia)
JOMO: Fazendeiro (Gikuyu do Quênia)
JUMA: Nascido na Sexta-Feira (Swahili)
KAMAU: Guerreiro quieto
KAMBAMI: O filho que fala pelo Pai ( Kimbundo- Angola)*
KANELO: Bastante, suficiente (Xhosa da África do Sul)
KANTIGI: Uma pessoa fiel (Ibo da Nigéria)
KASHKA: Amigo, amistoso (Nigéria)
KATO: Segundo nascido dos gêmeos (Runyakore de Uganda)
KAUNADODO: O mundo não tem nenhum degrau (Oshiwambo - Namibia)
KAYIN: Criança muito aguardada (Yoruba da Nigéria)
KEITA: Adorador (Africano do Oeste)
KENAN: Nome masculino (Malauí)
KENYATTA: Músico (África Oriental)
KHAMISI: Nascido Quinta-Feira
KIJANA: Juventude (Kiswahili)
KIMONI: Monarca ou grande homem
KITO: Precioso (Swahili)
KOBBI: Nascido Terça-Feira (Fanti Da Gana)
KOBBINA: Nascido Terça-Feira (Fanti Da Gana)
KODWO: Nascido Segunda-Feira
KOFI: Nascido Sexta-Feira (Gana)
KOJO: Nascido Domingo (Ashanti da Gana)
KOKUMUO: O que não morrerá
KOLAPO: Toda a riqueza deve unir (Yoruba da Nigéria)
KUMI: Vigoroso (Akan de Gana)
KWABENA: Nascido Terça-Feira (Akan de Gana)
KWAKU: Nascido Quinta-Feira (Akan de Gana)
KWAME: Nascido Sábado (Akan de Gana)
KWESI: Nascido Domingo (Akan de Gana)
LABAAN: Somali
LEABUA: Falante
LINDANI: Paciente (Zulu da África do Sul)
LISIMBA: Leão
LUMUMBA: Presenteado (Congo)
LUNGILE: O Bom (Zulu da África do Sul)
LUSALA: Chicote (Luhya do Quênia)
LUTALO: Guerreiro
MABILI: Vento do leste trazendo religião e cultura
MALIK: Monarca (Somália)
MAMELLO: Paciente (Basotho Lesoto)
MANU: Segundo filho (Akan Gana)
MASHUDU: Sortudo (Venda da África do Sul)
MATUNDE: Frutos (Luya Quênia)
MAZI: Senhor (Senegal)
MENEFER: Bonita Cidade (Kemet/Egito)
MHINA: Agradável
MINKAH: Justiça (Tanzânia)
MODUPE: Agradecido, grato
MONGO: Famoso (Yoruba da Nigéria)
MONTSHO: Negro
MOPATI: Ajudante (Botsuana)
MORENIKE: Boa sorte (Nigéria)
MOSI: Primeiro filho (Swahili)
MOTHUSI: Ajudante (Tswana de Botsuana)
MUENDA: O que gosta dos outros (Meru do Quênia)
MUGAMBI: Rei (Quênia)
MULALO: Paz (Venda da África do Sul)
MUNYIKA: Terra (Shona de Zimbábue)
MUNYIKA: Terra (Zimbábue)
MUZI: Casa (Zulu da África do Sul)
MWAKA: Nascido da nova eva (Buganda de Uganda)
NAKIA: Fiel (Egito)
NANGILA: Nascido em uma jornada
NASSOR: Vitorioso
NDASUUNYE: Desencorajado (Oshiwambo da Namibia)
NDULU: Irmão (Ibo da Nigéria)
NGOZI: Uma bênção
NJANU: Búfalo jovem (Kikuyu do Quênia)
NKHANGWELENI: Perdoe-Me (Venda da África do Sul)
NKOSI: Soberano
NKRUMAH: Nono filho
NNAMDI: O pai retornou (Nigéria)
NURU: Nascido durante o dia
NYACK: Forte ouvido, o que nunca desistirá
NYAMEKYE: Presente de Deus
OBA: Rei (Benin)
OBASI: Em honra de Deus (Ibo da Nigéria)
OBI: Coração (Ibo da Nigéria)
OBIKE: De família forte (Ibo da Nigéria)
OBIOMA: Bom coração (Igbo da Nigéria)
ODE: Nascido na estrada
ODIAMBO: Filho nascido no inverno (Quênia)
OHINI: Chefe (Akan Da Gana)
OJI: Portador de presentes (Ibo da Nigéria)
OKPARA: O primeiro filho
OKWUI: Palavra de Deus (Ibo da Nigéria)
OLAITAN: Bênçãos não sem fim (Yoruba de Benin)
OLAKUNDE: O valoroso chegou (Yoruba da Nigéria)
OLU: O que será famoso
OLUFEMI: Deus me ama
OLUGBENGA: Deus me reergueu (Yoruba da Nigéria)
OLUWAFEMI: Deus me ama (Yoruba da Nigéria)
OLUWA-SEYI: Deus o fez (Yoruba da Nigéria)
ONYINYECHI: Presente de Deus (Igbo da Nigéria)
ORUM: Domingo (Brasil)
OSAHAR: Deus escuta
OTIENO: Nascido numa noite
PAKI: Testemunha (Xhosa África do Sul)
PENHA: Amado (Swahili)
PEPONI: Céu do Paraíso
PHOMELLO: Tem sucesso (A África Do Sul)
PILI: Segundo filho (Swahili)
POPO: Morcego (Kiswahili)
PRA: Rio (Akan de Gana)
PUPA: Muito ambicioso (Kiswahili)
QWALHATA: Rainha núbia que governou o Egito na XXV dinastia.
QWARA: Pessoa que fala o idioma cushitic na Etiópia (Antigo idioma)
RAEKWON: Talentoso com as palavras (Nigéria)
RAFIKI: Amigo (Kiswahili)
RAHSAAN: Versátil (Americano Africano)
RAKANJA: (Muarusha da Tanzânia)
RAS: Cabeça, líder (Um Título Etíope)
RASHID: Guiado corretamente (Swahili)
RETTA: Ele venceu.
ROHO: Alma (Kiswahili)
RON: Alegria , também pessoa da Nigéria
RUDO: Amor
RUNAKO: Bonito
SADIKI: Fiel
SALEHE: Bom
SALONGO: pai de gêmeos (Baganda de Uganda)
SEF: Ontem (Egito)
SEFU: Relva (Swahili)
SEGODI MOGOTSI: Africano
SEKOU: Aprendeu Guiné)
SELASSIE: Trindade (Etiópia)
SELASSIEE: Poder da Trindade (Etiópia)
SEMELO: Pessoa de respeito, estatura e dignidade (Basotho do Lesoto)
SENTWALI: Corajoso
SHAABONI: nascido no oitavo mês
SHANETTE: influenciará a todos (Afro-Americano)
SHOMARI: Forte (Swahili, Congo)
SHOMBAY: Passeia como um leão (Swahili)
SILKO: Monarca nos Núbios
SIMBA: Leão (Kiswahili)
SIPHO: Presente, (Xhosa da África do Sul)
SISI: Nascido do Domingo
SULE: Aventureiro (África Ocidental)
TAHARKA: Monarca do Egito na XXV Dinastia
TAHIR: Puro (Egito Árabe)
TALIB: Buscar (Quênia)
TAMIRAT: Milagre (Etiópia)
TANO: Nome masculino, rio de Tano (Gana)
TAU: Leão (Tswana de Botsuana)
TAWONGA: Nós somos gratos (Tumbuka da Costa do Marfim)
TAYE: Ele havia sido visto (Etiópia)
TA'ZIYAH: Alma Apaixonada (Gana, Tafari
TEBOGO: Presente, Dádiva (Tswana da África do Sul)
TEDROS: Presente de Deus (Etiópia)
TEGENE: Meu protetor (Etiópia)
TEMILADE: A coroa é minha (Yoruba da Nigéria)
TEMITOPE: Sempre agradecendo a Deus (Nigéria)
THABO: Felicidade (Sesotho Lesoto)
THATO: Amor (Botsuana)
THEMBA: Ter Fé, esperar (Zulu da África do Sul)
THEMBI: Esperança (Zimbábue)
THEMDO: Um evento maravilhoso (África Ocidental)
THIKHATHALI: Despreocupado (Venda da África do Sul)
THILIVHALI: Que não esquece (Venda da África do Sul)
TINOCHIKA: Nós vivemos com medo (Zimbábue)
TOMI: Pessoa (Kalarbari da Nigéria)
TOURE: Sobrenome que indica pessoa de Soussou Ou Maninka
TSHEPO: Ter Fé e esperar. (Tswana África do Sul)
TSHIFHIWA: Dádiva (Venda da África do Sul)
TUAMANGULUKA: Nós estamos livres (Oshiwambo da Namibia)

TUMAINI: Esperança
TUPAC: Guerreiro, líder, mensageiro
TUTU: Um Sobrenome de Africano do Sul
UBANI: Incenso
UBEKWENISHA: Mãe do íntegro (Yaruba de Burundi)
UCHENNA: Plano de Deus (Swahili)
UCHI: Nudez
UNIKA: Eleve, erga, levante
UPENYU: Vida (Shona do Zimbábue)
USUTU: Marrom (Basatho do Lesoto)
UUKA: Surja, apareça
UZOMA: Siga o caminho certo (Ibo da Nigéria)
VINZA: Uma pessoa da Tanzânia
VUAI: Salvador
WAMBUA: Nascido na estação chuvosa (Kamba do Quênia)
WAMUKOTA: Canhoto
WANJALA: Cervejeiro (Kikuyu do Quênia)
WEKESA: Nascido durante a colheita (Luhya do Quênia)
XOLA: Fique em paz (Xhosa da África do Sul)
YAHYA: Presente de Deus (Swahili)
YAO: Nascido Quinta-Feira (Ovelha Gana)
YERA: Guerreiro (África Meridional)
YERODIN: Estudioso (Congo)
YOHANCE: De Deus (Hausa Da África Ocidental)
YOHANESS: Presente de Deus (Etiópia) Zahur
ZEBENJO: Evite os pecados (Ibo Da Nigéria)
ZERE: O descendente (Etiópia)
ZIFA: (Ijaw do Níger)
ZUHRI: Bom olhar (Swahili)
ZULU: Céu, um grupo étnico na África do Sul
ZURI: Belo (Kiswahili)
ZWANGA: Meu ou que pertence a mim (Venda da África do Sul)

Um afro abraço.

fonte:dicionariosvarios.blogspot.com/

quinta-feira, 9 de março de 2017

O cantor e compositor Bob Marley o primeiro grande astro vindo do terceiro mundo...

Bob Marley, o ícone do gênero, o primeiro grande astro vindo do terceiro mundo, foi uma
figura tão especial e carismática que sua existência tomou ares proféticos. Parece que veio predestinado ao mundo sob a simbologia da união dos povos e miscigenação.

No dia 6 de fevereiro de 1945 nascia em Nine Mile,Fruto do amor de uma jovem negra de 18 anos, Cedella Booker, e de um homem branco mais velho, o capitão Norval Sinclair Marley, na Jamaica, Robert Nesta Marley, mundialmente conhecido como Bob Marley. Considerado um ídolo a altura de Elvis Presley ou John Lennon, ele é o mais famoso músico de reggae de todos os tempos. Por conta de sua adolescência difícil em uma favela em Kingston, capital jamaicana, Bob Marley desenvolveu um ponto de vista bastante crítico sobre os problemas sociais e seu trabalho faz muitas referências à questão da pobreza e da opressão. Bob foi casado com Rita Marley, mãe de quatro de seus 12 filhos (dois deles adotados). Entre eles estão Ziggy e Stephen Marley, que deram sequência ao legado musical do pai na banda Melody Makers. Outros filhos, Kymani, Julian e Damian (Jr. Gong) também seguiram no meio musical. Bob Marley, provavelmente, é mais conhecido pelo seu trabalho com o grupo The Wailers, que contava com os excelentes músicos Bunny Wailer e Peter Tosh. Em 1971, Bob assinou com o selo Island Records. 


Quatro anos depois, com “No Woman, No Cry”, ele ganhou fama mundial. No ano seguinte, em 1976, o músico, sua esposa e seu empresário sofreram um atentado a bala, na casa de Bob Marley, em Kingston. O tiroteio teria motivações políticas, já que alguns dias depois estava agendado um show gratuito de Bob Marley em evento que foi interpretado como gesto de apoio ao então primeiro-ministro Michael Manley. Em julho de 1977, Bob Marley descobriu uma ferida no dedão de seu pé direito, que não cicatrizava e que resultou na queda de sua unha. Marley descobriu que estava com um tipo de câncer de pele, e os médicos o
aconselharam a amputar o dedo. O músico se recusou por conta dos seus princípios rastafáris em que não se deve cortar ou amputar qualquer parte do corpo.

"A música de Bob Marley foi importante para a aceitação do Reggae no mundo, o que tornou o ritmo um dos mais populares. Marley é considerado um mito, pois disseminou suas ideias através da música".

Alguns anos de morrer, em 1977, Marley teria se convertido aos cristianismo e decidido que seu corpo deveria ser cuidado. A esta altura, contudo, o câncer havia se espalhado – estava no seu cérebro, pulmão e estômago. 

Em 1978 o cantor recebeu a medalha da paz, oferecida pela ONU, em Nova Iorque. No mesmo ano foi, pela primeira vez, à África, onde visitou o Quênia e a Etiópia, país especialmente reverenciado pelos rastas, terra do imperador Haile Selassie, considerado por eles como seu messias. Depois de uma nova turnê pela Europa e EUA, o grupo lançou o disco ao vivo "Babylon By Bus", e tocou na Austrália, Japão e Nova Zelândia.
Com seu nono álbum, "Survival", de 79, Marley já havia tornado o reggae um estilo internacional, conhecido no mundo todo. A África era o único continente em que o grupo ainda não havia se apresentado, mas em 1980, Bob Marley foi convidado a se apresentar com os Wailers na cerimônia


Durante uma turnê no verão de 1980, Marley desmaiou enquanto corria no Central Park, em
Nova York. Depois disso, foi fazer um tratamento na Alemanha, que acabou não dando resultado. Por conta da doença, o astro da música morreu aos 36 anos, no dia 11 de maio de 1981, em Miami, nos Estados Unidos. Após a sua morte, a data de seu aniversário, no dia 6 de fevereiro, foi decretada feriado nacional na Jamaica.


Um afro abraço.

Claudia Vitalino.
fonte:https://www.vagalume.com.br/www.suapesquisa.com/