Somos...

Somos...
Rebele-se Contra o Racismo!

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Ellen Oléria - Zumbi (Jorge Benjor)

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Curta-metragem "O preconceito cega"

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Reis Africanos:Shaka Zulu (O GENERAL AFRICANO)

Shaka Zulu, às vezes escrito como Tshaka, Tchaka ou Chaka -1773 — 22 de setembro de
1828), foi um chefe tribal e estrategista militarque transformou os zulus de uma etnia com pouca expressão territorial em um império que ensombrou os desígnios coloniais britânicos.
"A história Shaka Zulu, líder africano que expandiu a nação zulu, num feito comparável a Alexandre o Grande, mas também terminou sua vida como ditador insano".

Origens e Infância - O potentado Zulu tem início com o reinado de Shaka, filho do chefe Senzanga Khoma, de um dos clãs mais fortes dos Zulus, que engravidara Nandi, uma mulher Lengani, que se tornou por isso sua terceira esposa. Mas ela era desagradável e pouco dócil, acabou sendo rejeitada junto com o filho, e voltou para os Lenganis, onde Shaka cresceu acalentando o sonho de se tornar Rei dos Zulus, e expandir o império.

"Filho orfão e ilegítimo de Senzanganakhona, chefe do clã zulu dos nguni, Shaka e a mãe foram banidos da suaumuzi (aldeia), e forçados a viver no exílio entre os mtetwa, na altura do reinado de Dingiswayo".

Ao atingir a puberdade, Shaka seguiu os costumes dos Mtetwa, e juntamente com os outros rapazes da sua idade (intanga), integrou o regimento isiCwe do exército de Dingiswayo. Shaka integrou-se bem na vida militar, e à medida que a sua fama pessoal e autoridade aumentava, introduziu alterações às tácticas anteriormente utilizadas.

Estrategia: Corpo+Braço+Cabeça...

Shaka Instituiu a técnica de combate “corpo-braços-cabeça”, em que o corpo era a grande concentração de tropas central, e a única que os inimigos podiam ver, os braços eram dois grupos de envolvimento rápido que atacavam pelos flancos, e a cabeça, um regimento que, nos dois primeiros estágios de qualquer batalha,uma das mudanças mais importantes foi o abandono das tácticas de combate "atacar e retirar", pelo combate corpo a corpo, perseguição do inimigo, e da aniquilação total do inimigo. Estas tácticas foram sendo adoptadas por outros clã dos Nguni. No início da década de 1810, contra os Buthelezi em 1810, e posteriormente contra os Nongoma em 1812, Shaka havia aperfeiçoado a implementação dos seus homens no campo de batalha numa formação de ataque em forma de lua, com as pontas denominadas izimpondo (cornos), e o centro de isifuba (peito), com a qual obteve grandes êxitos, e seria a formação de combate padrão dos zulus nos próximos noventa anos.

Em 1816 foi enviado por Dingiswayo, chefe dos mtetwa, e regressa do exílio, e
rapidamente se afirma rei dos zulus, eliminando todos que se lhe opunham. Um dos seus primeiros actos é constituir quatro regimentos, que são a origem do impi, nome pelo qual os exércitos zulus ficariam conhecidos. Os impis estavam armados com uma pequena lança, a assegai, um escudo de couro de boi, uma espécie de porrete que podia ser arremessado no inimigo com grande precisão e ainda o "cuspe de veneno", substância tóxica encontrada numa erva que era mastigada pelos guerreiros de Shaka, que a cuspiam no rosto dos inimigos durante os combates, causando grande irritação nos olhos. Apoiado neste impi, parte para nesse mesmo ano para atacar novamente os Buthelezi.

Em 1818 a sua atenção vira-se para os ndwandwe, que vence na batalha de Gqokli, de forma decisiva, apesar de a vantagem à partida não estar do seu lado. A mesma sorte tiveram outros clãs e tribos, contra quem os Zulus apontaram a sua máquina de guerra, numa expansão territorial que iria aumentar o território sob o seu controlo cerca de 12 vezes.

1824 seria um ano marcante na histórios dos Zulus: Shaka autorizou o estabelecimento de europeus (H.F. Fynn e Lt. Farewell, fundadores da Natal Trading Company) no seu território. Estes fundaram Port Natal, a actual cidade de Durban.

Se Liga: A decadencia de Shaka...
Shaka não tinha descendente que pudessem suceder-lhe, assim ficou obcecado com a idéia de envelhecer e morrer. Feiticeiros se aproveitaram desse início de loucura para explorá-lo com promessas de óleos milagrosos que proporcionavam a imortalidade.
O aparecimento dos primeiros cabelos brancos detonou um processo de loucura irreversível; a morte da mãe desencadeou uma onda de crueldade e perseguições terríveis, que abalaram toda a estrutura Zulu.

Começou por ordenar a morte de todas as mulheres a serviço de Nandi, a “mulher elefante”, que com ela compartilharam a tumba, e que, quase todas, eram mulheres de alguns dos seus melhores e mais confiáveis generais.

"A mortalidade gratuita espalhou-se pelo reino; qualquer pessoa, por rir, espirrar, tossir, se coçar, sentar, dormir, amamentar ou mesmo comer e beber, podia ser decapitado, acusado de não demonstrar pesar pela morte da mãe de Shaka".

Turbas frenéticas e assassinas corriam por todo o reino, para ver se alguém deixava de honrar Nandi. Os últimos meses de 1827 ficaram conhecidos entre os Zulus, como o tempo

das trevas de Shaka.

Conspiração e Morte - Com o caos instituído no reino, M'Kabay, irmã do pai de Shaka e dois meio irmãos dele, Dingane e M'Halangana, junto com alguns comandantes militares, conspiraram e planejaram o assassinato do grande chefe Zulu.
No dia 22 de Setembro de 1828, vários conspiradores se reuniram, foram ao Kraal de Shaka, e sem que este pudesse esboçar um gesto de defesa, lhe espetaram fundo e por diversas vezes as mortais azagaias pelos seus meio-irmãos Dingane e Mhalangana, sucedendo-lhe Dingane. 


Um afro abraço.

Claudia Vitalino.

fonte:https://pt.wikipedia.org\www.publistorm.com/

sábado, 26 de novembro de 2016

Rita (Ribeiro) Benneditto - E´d'Oxum.



Oxum  -  É  um orixá feminino das águas doces, dos rios e cachoeiras, da riqueza, do amor, da prosperidade e da beleza, cultuada nocandomblé e umbanda.

Através de mamãe Oxum, os fiéis buscam auxílio para a solução de problemas no amor, uma vez que ela é a responsável pelas uniões, e também na vida financeira, a que se deve sua denominação de“Senhora do Ouro”, que outrora era do Cobre, por ser o metal mais valioso da época.

Oferendas são servidas principalmente nas cachoeiras para Mamãe Oxum

Na natureza, o culto a Oxum costuma ser realizado nos rios e nas cachoeiras e, mais raramente, próximo às fontes de águas minerais.

Oxum é símbolo da sensibilidade e muitas vezes derrama lágrimas ao incorporar em alguém, característica que se transfere a seus filhos, identificados por chorões.
Sincretismo religioso e a comemoração em 08 de dezembro

Oxum orixá feminina das religiões afro-brasileiras (umbanda e candomblé) é sincretizada com diversas Nossas Senhoras.

Na Bahia, ela é tida como Nossa Senhora das Candeias ou Nossa Senhora dos Prazeres. No Sul do Brasil, é muitas vezes sincretizada com Nossa Senhora da Conceição, enquanto no Centro-Oeste e Sudeste é associada ora à denominação de Nossa Senhora, ora com Nossa Senhora da Conceição Aparecida.

O dia 8 de dezembro é marcado por duas celebrações cristãs de significados distintos (quase antagónicos), que se confundem devido à semelhança das suas designações.


Sincretismo religioso aproxima várias Nossa Senhoras a figura do orixá Oxum
A evocação popular, tradicional, celebra a Nossa Senhora da Conceição (ou Concepção), isto é, celebra o arquétipo daMaternidade. Conhecem-se desde o século VII, nomeadamente na Península Ibérica, festas com esta evocação; até há poucos anos era nesta data, e não no primeiro domingo de Maio, que se celebrava o Dia da Mãe.

O conceito teológico oficial é o do dogma da Imaculada Conceição de Maria, definido pelo papa Pio IX em 1854, e nada tem a ver com o conceito popular: afirma que Maria, mãe de Jesus, teria também sido gerada sem cópula carnal de seus pais (Ana e Joaquim); celebra, por isso, a castidade. Esta ideia começou a surgir no século XII, tendo causado intensa polémica e sido rejeitada por importantes teólogos, incluindoSão Bernardo e São Tomás de Aquino, e condenada pelo papa Bento XIV em 1677, até ter sido aceite como dogma em 1854.

A instituição da ordem militar de Nossa Senhora da Conceição por D. João VI, que alegadamente sintetizaria um culto que em Portugal existiu muito antes de ser dogma, pelo menos na sua designação remete para o conceito popular, não para o conceito teológico afirmado pelo dogma. De igual forma, as freguesias portuguesas anteriormente listadas adoptaram a designação “Nossa Senhora da Conceição” ou “Conceição”, mas não “Imaculada Conceição”.

Em 8 de dezembro de 1904, em Lisboa solenemente lançou-se a primeira pedra para um monumento comemorativo do cinquentenário da definição do dogma. Ao ato, a que assistiram as pessoas reais, patriarca e autoridades, estiveram também representadas muitas irmandades deNossa Senhora da Conceição, de Lisboa e do país, sendo a mais antiga a da atual freguesia dos Anjos, que foi instituída em 1589.

No Brasil é tradição montar a árvore de Natal e enfeitar a casa no dia 8 de dezembro, dia de N.Sra. da Conceição.


Oxum na África-Rio Oxum na Africa
Osun, Oshun, Ochun ou Oxum, na Mitologia Yoruba é um orixá feminino. O seu nome deriva do rio Osun, que corre na Iorubalândia, região nigeriana de ijexá e Ijebu.

É representada pelo candomblé, material e imaterialmente, por meio do assentamento sagrado denominado igba oxum.

É tida como um único Orixá que tomaria o nome de acordo com a cidade por onde corre o rio, ou que seriam dezesseis e o nome se relacionaria a uma profundidade desse rio.

As mais velhas ou mais antigas Oxum são encontradas nos locais mais profundos (Ibu), enquanto as mais jovens e guerreiras respondem pelos locais mais rasos. Ex.: Osun Osogbo, Osun Opara ou Apara, Yeye Iponda, Yeye Kare, Yeye Ipetu, etc.

Em sua obra Notas Sobre o Culto aos Orixás e Voduns, Pierre Fatumbi Verger escreve que os tesouros de Oxum são guardados no palácio do rei Ataojá.

O templo situa-se em frente e contém uma série de estátuas esculpidas em madeira, representando diversos Orixás: “Osun Osogbo, que tem as orelhas grandes para melhor ouvir os pedidos, e grandes olhos, para tudo ver. Ela carrega uma espada para defender seu povo.”

O Festival de Oxum é realizado anualmente na cidade de Osogbo, Nigéria. O Bosque Sagrado de Osun-Osogbo, onde se encontra o Templo de Oxum, é Patrimônio Mundial da UNESCO desde 2005.

Ọṣun-Oṣogbo ou Bosque Sagrado de Osun-Osogbo é uma floresta sagrada às margens do rioOxum que se encontra na cidade de Oṣogbo, Nigéria.

Características dos filhos da orixá Oxum  - O filhos de Oxum dão muito valor à opinião pública, fazem qualquer coisa para não chocá-la, preferindo contornar as suas diferenças com habilidade e diplomacia. Seus filhos e filhas são doces, sentimentais, agem mais com o coração do que com a razão e são muito chorões.

Filhas de Oxum tem intuição forte e podem se tornar líderes espirituais

São extremamente vaidosos e conquistadores, adoram o luxo, a vida social, além de sempre estarem namorando. São obstinadas na procura dos seus objetivos.

Oxum é o arquétipo daqueles que agem com estratégia, que jamais esquecem as suas finalidades; atrás da sua imagem doce esconde-se uma forte determinação e um grande desejo de ascensão social.

Têm uma certa tendência para engordar, a imagem do gordinho risonho e bem-humorado combina com eles. Gostam de festas, vida social e de outros prazeres que a vida lhes possa oferecer. Tendem a
uma vida sexual intensa, mas com muita discrição, pois detestam escândalos.

Não se desesperam por paixões impossíveis, por mais que gostem de uma pessoa, o seu amor-próprio é muito maior. Eles são narcisistas demais para gostar muito de alguém.

Graça, vaidade, elegância, uma certa preguiça, charme e beleza definem os filhos de Oxum, que gostam de jóias, perfumes, roupas vistosas e de tudo que é bom e caro.

O lado espiritual dos filhos de Oxum é bastante aguçado. Talvez por isso, algumas das maioresYalorixás (mães-de-santo) da história do Candomblé, tenham sido ou sejam de Oxum.

REBELE-SE CONTRA O RACISMO!
Um afro abraço.
Claudia Vitalino.

fonte: wikipédia/UNEGRO COMUNIDADES TRADICIONAIS

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Histórias Animadas - A Cor da Cultura - Bruna e a Galinha d'Angola





Bruna e a Galinha D'angola

Uma História de: Gercilda de Almeida

Bruna era uma menina que se sentia muito sozinha. Sua avó veio da África e sempre lhe contava histórias. Uma que ela gostava muito era a do panô da galinha que sua avó trouxera da África.

“Conta a lenda de uma aldeia africana que Ósún era uma menina que se sentia só e para lhe fazer companhia resolveu criar o que ela chamava de " o seu povo”. Foi assim que surgiu Conquém, a galinha d’Angola.

Bruna então pediu a seu tio que era um bom oleiro, que lhe ensinasse a trabalhar com barro. Bruna então modelou na argila a galinha d’Angola e passou a brincar com ela.

No dia de seu aniversário, sua avó lhe deu uma galinha d’Angola de verdade que andava e gritava:

- Conquém! Conquém!

As outras crianças da aldeia que não brincavam com Bruna foram se aproximando dela e pedindo para brincar com a Conquém, aí Bruna arranjou muitas amigas e fizeram muitas galinhas de barro iguais a Conquém.

Um dia as crianças acharam no baú da avó de Bruna um panô que contava a lenda africana dos animais que ajudaram a Conquém na criação do mundo e de seu povo. Conquém espalhou as sementes na terra, o lagarto desceu para ver se a terra era firma e o pombo foi avisar aos outros animais que podiam vir povoar aquele lugar.

Bruna e suas amigas ficaram muito conhecidas, porque todos da aldeia se juntavam para ouvirem a história do panô.

Sua avó resolveu ensinar as meninas a pintarem tecidos, como os que ela fazia na África, isso fez com que a aldeia ficasse conhecida.

Foi assim que todas as pessoas da aldeia de Bruna decidiram torná-la mais bonita e pintaram suas casas com as cores dos panôs da galinha d’Angola.Um dia a Conquém sumiu e todas as meninas saíram a sua procura chamando:

- Conquém, onde você está? Com quem nós vamos brincar?

Tanto procuraram que a acharam escondida no mato. As meninas encontraram um ninho com um belo ovo que ela protegia e chocava.

Tempos depois, cada menina da aldeia tinha sua galinha d’Angola e até hoje o povo daquela aldeia conta a história de Bruna e da galinha d’Angola para aqueles que compram os belos tecidos pintados pelas meninas.
Se liga:
Um afro abraço.
Claudia Vitalino.
fonte:

Rebele -se Contra o Racismo



Numa conversa de ideias e construção de valores, foi realizado a roda de conversa com a Unegro

Numa sala lotada de alunos atentos e engajados no assunto do respeito e contra a discriminação. A conversa foi iniciada pela nossa Coordenadora Municipal , Sra. Sonia Lopes, enfatizando a presença de todos e em especial ao espaço aberto para esse bate papo, agradecemos desde já a pronta atenção e compreensão da Sra. Luciana Saraiva e de toda sua equipe de professores e funcionários que ali estavam e fizeram desse dia um marco para a historia da Unegro.

Presentes ao encontro os alunos do colégio Vetor estiveram atentos a cada palavra dos professores ali

presentes : Tivemos uma aula de historia do negro, com a menção mais que honrosa do Almirante Negro João Cândido (http://www.infoescola.com/biografias/joao-candido/) na falação do Professor Hélio Jorge. Uma aula da historia de nosso brasil. Tivemos a aula de matrizes africanas, soubemos na fala do professor e diretor Unegro Luiz Carlos, deixando todos ainda mais a saber das diferenças entre as religiões presentes no Brasil. Onde existia duvidas, já não existem mais.

Sra. Marisa Justino nos leva a uma reflexão sobre a questão do racismo com recorte na diversidade sexual e social.

Por fim tivemos uma fala da nossa querida diretora do espaço Vetor a Sra. Luciana Saraiva, que gentilmente nos cedeu o espaço para esse evento, sabendo nós que o Colégio estará sempre aberto as agendas direcionadas as lutas de igualdade, diversidade e de respeito. Uma das colocações da própria Sra. Luciana, foi essa forma de cuidar dos alunos, o jeito como eles são doutrinados, a forma como saem dali e ingressão no mundo, sempre pautados no respeito e na tolerância uns com os outros, esse é um legado que vem desde seus fundadores, seus pais, e esta sendo pregado por ela mesmo no dia dia com os alunos. Estes merecem nosso respeito e abraço pela forma carinhosa que nos recebeu. Para fechar o dia em alto e bom astral sonoro, a vez e a voz da Cantora Bombom Baobá - direto de Maricá- que cantou à capela e encantou os quase 150 alunos presentes na sala, ao final da primeira musica, a galera se levanta e pede mais um Bombom, que prontamente atende aos alunos e nos leva ao encantamento na sua Linda voz forte e poderosa.

Em nota a Unegro Nova Iguaçu agradece a todos alunos, funcionários, professores, aos espaço e em especial a sua diretora, que nos recebeu com todo carinho e respeito. Desde já o nosso obrigado pelo dia de hoje

Colaboraram com este dia:

Sra. Sonia Lopes – Coordenadora da Unegro de Nova Iguaçu;

Sra. Marisa Justino – vice Coordenadora e coordenadora de eventos e projetos da Unegro Nova Iguaçu;

Sra. Luciana Saraiva – Diretora executiva do colégio Vetor região Nova Iguaçu;

Sr. Luiz Carlos Coelho - Diretor Estadual da Unegro Rio de Janeiro;

Sr. Hélio Jorge da Silva – Diretor Executivo da Unegro Nova Iguaçu;

Sr. Professor Daurio Douglas - Colégio Vetor;

Sr. Carlos Lázaro - Membro Unegro Nova Iguaçu / Imprensa;

Equipe de funcionários, colaboradores e professores do Colégio Vetor Região Nova Iguaçu.
de Nova Iguaçu com os alunos do colégio Vetor sobre Racismo, intolerância religiosa e LGBT fobia dentro das escolas. Estiveram presentes a essa roda de conversa a diretora do colégio Vetor Sra. Luciana Saraiva, a Sra. Sónia Lopes presidente da Unegro de Nova Iguaçu, Sra.

Marisa Justino Vice Presidente da Unegro N.Iguaçu e membro permanente da AGANIM, o

diretor estadual da Unegro Estadual e da Capital Sr. Luiz Carlos Coelho, o Professor do colégio Vetor Sr. Daurio Douglas, o Sr. Hélio Jorge da Silva militar de carreira, professor, historiador e pesquisador da historia da Africa e diretor Executivo da Unegro Nova Iguaçu, a Cantora Bombom Baobá membro da Unegro de Maricá, convidada especial da Unegro Nova Iguaçu ao evento.

Tem Negro no Arco iris.

Marisa Justo

fonte:UNEGRO NOVA IGUAÇU

terça-feira, 22 de novembro de 2016

22 de novembro de 1910- Revolta da Chibata

A Revolta da Chibata foi um movimento na Marinha do Brasil que culminou com um motim
na Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro, capital do Brasil na época. Seu líder era o marinheiro João Cândido, uma dos maiores revolucionários da história do Brasil.

"Mais de 2.400 marinheiros se rebelaram contra os baixos salários, as péssimas condições de trabalho e o uso de castigos físicos (chibatadas). Contra isso, os marinheiros ameaçaram bombardear a cidade."

iderados pelo marinheiro negro João Cândido Felisberto, os marujos tomaram três encouraçados na Baía de Guanabara e ameaçaram disparar os canhões contra a então capital da República. O que eles queriam? O fim dos castigos corporais na Marinha do Brasil e melhores condições de alimentação e de trabalho. Foi um ato de coragem contra as Forças Armadas, que naquele momento contavam com uma das mais modernas frotas navais do planeta.

Planejado por cerca de dois anos e que culminou com um motim que se estendeu de 22 até 27 de novembro de 1910 na baía de Guanabara, na ocasião, rebelaram-se cerca de 2400 marinheiros contra a aplicação de castigos físicos a eles impostos (as faltas graves eram punidas com 25 chibatadas), ameaçando bombardear a cidade.

Durante o primeiro dia do motim foram mortos marinheiros infiéis ao movimento e cinco oficiais que se recusaram a sair de bordo, entre eles o comandante do Encouraçado Minas Geraes, João Batista das Neves.

Na manhã do dia 23, o emissário do governo, o deputado federal e capitão-de-mar-e-guerra José Carlos de Carvalho esteve a bordo do encouraçado São Paulo, onde lhe foi determinado que se dirigisse ao Minas Geraes para falar com o líder da revolta, João Cândido, dando-se assim início às negociações entre o governo e os revoltosos.

José Carlos de Carvalho levou para o Congresso a impressão que teve da força dos marinheiros e um Manifesto com exigências, sendo a principal o fim da chibata. O Manifesto, que tinha sido escrito durante as reuniões preparatórias, citava todos os oficiais presos nos navios e relacionava todos os navios sob o controle dos marinheiros. Isso demonstra que os revoltosos acreditavam que poderiam fazer a revolta sem mortes, e que a adesão à revolta seria total, quando a realidade era diferente disso.

Os navios que não aderiram à revolta, na maioria contratorpedeiros, entraram em prontidão
para torpedear os revoltosos. No dia 25 de Novembro, o então Ministro da Marinha,
almirante Joaquim Marques Batista de Leão expediu a ordem: "hostilize com a máxima energia, metendo-os a pique sem medir sacrifícios." No mesmo dia, entretanto, o Congresso Nacional aprovou a anistia para os revoltosos. Há versões de que o encouraçado Deodoro chegou a receber tiros dos contratorpedeiros, que logo cessaram fogo e voltaram para a orla.

Quatro dias depois do motim, a 26, o governo do presidente Marechal Hermes da Fonseca declarou aceitar as reivindicações dos amotinados, abolindo os castigos físicos e anistiando os revoltosos que se entregassem. Estes, então, depuseram armas e entregaram as embarcações. Entretanto, dois dias mais tarde, a 28, foi feito um novo decreto, que permitia que fossem expulsos da Marinha aqueles elementos "inconvenientes à disciplina".

A chamada "segunda revolta"
Duas semanas depois de os rebeldes terem se rendido e terem desarmado os navios, obtendo do governo um decreto de Anistia, eclodiu o que a Marinha denomina de "segunda revolta". Em combate, num arremedo de motim num dos navios que não aderiram à Revolta pelo fim da Chibata, morreram mais um oficial e um marinheiro. Esta "segunda revolta" desencadeou uma série de mortes de marinheiros indefesos, ilhados, detidos em navios e em masmorras, além da expulsão de dois mil marinheiros, atos amparados pelo estado de sítio que a "segunda revolta" fez o Congresso Brasileiro aprovar.

No Congresso, parlamentares levantaram a possibilidade de esta "segunda revolta" ter sido encomendada, ou no mínimo fomentada pelo Governo Federal (Presidente, Marinha, Exército e simpatizantes no Congresso), pois foi o Governo o maior beneficiado, com o estado de sítio, que não somente lhe permitiu excluir 2.000 marinheiros (eram 2379 os revoltados) e matar um número incerto mas estimado em duas centenas de marinheiros, como também afastar os adversários políticos, que ficaram a favor da Anistia dos marinheiros rebeldes, como o candidato à presidência derrotado, Rui Barbosa, isolando-o em São Paulo.

Apesar de se declarar contra a "segunda revolta", e até mesmo ter atirado (graças a uma culatrinha de canhão que um dos marinheiros havia escondido dos oficiais) contra os fuzileiros, companheiros seus da Marinha, para provar lealdade ao Governo Federal que havia dado a Anistia e garantido o fim da chibata, João Cândido também foi preso e expulso da Marinha, sob a acusação de ter favorecido os fuzileiros rebeldes. Entre os detidos na Ilha das Cobras, dezoito foram recolhidos à cela n° 5, escavada na rocha viva.

Ali foi atirada cal virgem, na véspera de Natal, 24 de Dezembro de 1910. Após vinte e quatro
horas, estavam mortos asfixados 16 homens; apenas João Cândido e o soldado naval João Avelino, conhecido como "Pau de Lira" sobreviveram na cela 5. Numa outra cela morreram mais dois.

Mais vindita aconteceu: cento e cinco marinheiros foram desterrados para trabalhos forçados nos seringais da Amazônia, tendo sido onze destes fuzilados nesse trânsito . Além disso, testemunhas, entre elas João Cândido e Marcelino Rodrigues(o chicoteado na véspera da revolta), demonstram que vários marinheiros foram mortos nos quartéis e nas ruas. Sem contar o massacre da Ilha das Cobras do dia 10, à qual não foi permitido o acesso da Imprensa a partir do dia 10.

Estima-se que havia na Ilha 300 presos (somando anteriores à Revolta e após 26 de Novembro, fim da revolta e do decreto da anistia) e 300 fuzileiros navais. Quando estalou a "segunda revolta", 350 fugiram entre a noite do dia 9 e a manhã do dia 10. Destes 250 marinheiros e fuzileiros restantes, houve notícia de 60 sobreviventes encontrados após o cessar-fogo. Os números reais das mortes comandadas pelo governo, exército e marinha, nas dependências do Estado nacional, rendidos, nunca foram oficialmente divulgados.

A estimativa de duas centenas é bastante conservadora. Duzentos mortos e dois mil expulsos após a revolta. Barbaridade que não se compara às 6 mortes de marinheiros e 6 mortes de oficiais em situação de combate no dia 22 de Novembro e no dia 09 de Dezembro. Matar homens amarrados, rendidos, por vingança, realmente uma mancha na imagem da Marinha de 1910. Uma época felizmente superada.

O Almirante Negro, como foi chamado pela imprensa, um dos sobreviventes à detenção na
ilha das Cobras, foi internado no Hospital dos Alienados em Abril de 1911, como louco e indigente. Ele e nove companheiros só seriam julgados e absolvidos das acusações dois anos mais tarde, em 1 de dezembro de 1912.

- João Cândido, o Almirante Negro, apelido dado pela imprensa da época. Desde a infância numa fazenda na divisa do Rio Grande do Sul com o Uruguai, passando pela liderança da Revolta da Chibata até internação como louco, ele enfrentou muitas dificuldades, que se seguiram até o fim da sua vida, em 1969. Herói pouco conhecido, morreu na miséria e no esquecimento.

Um afro abraço.

Claudia Vitalino.

REBELE-SE CONTRA O RACISMO!
fonte:Agência Senado

Quilombo completo Dublado (1984)

domingo, 20 de novembro de 2016

grupo bom gosto 300 anos zumbi - 20 de Novembro Além de Zumbi,







No dia 20 de novembro, nós brasileiros, comemoramos o Dia da Consciência Negra. Mas já se perguntaram, porque foi escolhido esse dia? Foi nesse mesmo dia, no ano de 1695 que morreu Zumbi, que era líder do Quilombo dos Palmares.

Zumbi representa muito bem a luta do negro contra a escravidão, lá na época do Brasil Colonial. Ele morreu lutando em defesa do seu povo, lutando pela liberdade da comunidade negra.

Alguns líderes que fizeram história...

Além de Zumbi, outros líderes negros deixaram (ou ainda deixam) exemplos importantes para qualquer empreendedor que tem a liderança eficaz como premissa de um bom negócio. Conheça algumas dessas lições:

ZUMBI –
Descendente de guerreiros angolanos, Zumbi foi capturado ainda quando criança e entregue ao Padre Antônio Melo para ser criado sob os costumes católicos. Com 15 anos, fugiu para suas origens e retornou ao Quilombo dos Palmares, onde combateu por 14 anos as investidas portuguesas contra a captura de negros para levá-los à escravidão. Destacou-se entre outros por sua inteligência – escrevia português e latim já aos 10 anos. Em 1965, reuniu mais de dois mil palmarinos (nativos do quilombo dos Palmares) e invadiu povoados em busca de alimentos e armas. Morreu depois que um dos líderes da tropa de Palmares foi capturado e entregou seu esconderijo.

Lição: os estudos e aquisição de conhecimentos podem levá-lo além do que você espera. Além disso, para liderar, é importante trabalhar seu poder de influência e capacidade estratégica para atingir os resultados esperados.

LUIZ GAMA – Ainda falando de líderes brasileiros, Luiz Gonzaga Pinto da Gama foi um poeta, jornalista, advogado, republicano e abolicionista. Filho de um português e da ex-escrava Luiza Mahin. Nascido em Salvador, em 1830, foi vendido por seu próprio pai aos 10 anos e despachado para o Sudeste. Em São Paulo, fez serviços de lavadeira, passadeira e trabalhou como sapateiro. Aprendeu a ler, estudou e passou a trabalhar como advogado, mesmo sem graduação. Sua primeira vitória veio com a produção de provas que o livraram da condição de escravo.

Além da Advocacia, Gama adotou a causa abolicionista em outras áreas de sua vida, como na poesia e na carreira de jornalista. Seus anúncios como advogado defendiam “todas as causas de liberdade”, o que lhe rendeu muitos casos, vários invocando a lei de 1831 que aboliu o tráfico de escravos interoceânico, que ele chamava de “lei para inglês ver”. Esteve rodeado de admiradores, desde a elite letrada e cafeeira, até estudantes e negros em busca de defesa de seus interesses. Morreu em 1882 com direito a um cortejo que seguiu do Brás até o Cemitério da Consolação, onde ainda é possível encontrar seu túmulo. Em seu busto no Largo do Arouche, lê-se “Por iniciativa do progresso / Homenagem dos pretos do Brazil”.

Lição: não se chega a lugar nenhum sem força de vontade, sem dedicação e sem “colocar a mão na massa”, no melhor exemplo da expressão “o futuro está em suas mãos”. Além de perseverança, é importante ser assertivo e manter uma boa rede de contatos para fazer valer suas ideias e propósitos. Por fim, quem tem uma causa (leia-se também missão e valores), terá mais chances de se destacar no meio de outros.

MARTIN LUTHER KING – Uma das maiores personalidades da história da humanidade, Martin Luther King Jr. lutou contra a desigualdade racial por meio do ativismo político. Nascido em Atlanta em 1929, decidiu seguir pelo seminário tornando-se pastor batista. Logo quando adolescente, já questionava conceitos enraizados, como quando, com 13 anos, inicialmente negou a ressurreição corporal de Jesus.

Em 1955, após a prisão de uma mulher negra que se recusou a ceder seu lugar no ônibus a uma mulher branca, King co-liderou um boicote aos ônibus de Montgomery para protestar contra a segregação racial, campanha que durou mais de um ano e resultou na decisão da Suprema Corte Americana de tornar ilegal a discriminação racial dentro do transporte público. O pastor também organizou e liderou marchas pelo direito ao voto, fim da segregação, fim das discriminações no trabalho, melhorias na educação e na moradia dos negros, dentre outros direitos civis básico que agregaram à Lei de Direitos Civis dos Estados Unidos (1964) e Lei dos Direitos Eleitorais (1965). Seus esforços levaram à Marcha sobre Washington de 1963, onde ficou conhecido pelo discurso “I Have a Dream” (“Eu tenho um sonho”), e à marcha de 1965 em que o futuro líder dos Panteras Negra, Stokely Carmichael, criou a expressão “Black Power”.

Tornou-se a pessoa mais jovem a receber o Prêmio Nobel da Paz por sua liderança na resistência não-violenta (King era seguidor das ideias de desobediência civil não-violenta pregadas por Mahatma Gandhi) e por sua luta pelo fim do preconceito racial nos Estados Unidos. O pastor foi assassinado em 4 de abril de 1968. Postumamente, recebeu a Medalha Presidencial da Liberdade (1977), a Medalha de Ouro do Congresso (2004) e um feriado nacional, que ocorre sempre da terceira segunda-feira de janeiro.

Lição: é preciso ter coragem e olhar crítico para liderar, começar coisas novas e quebrar paradigmas. A dedicação é fundamental se você deseja influenciar pessoas e deixar um legado. Além disso, agir e tomar a frente das coisas é algo imprescindível para qualquer líder e empreendedor. Por fim, ter um posicionamento claro diante das situações é o que o distinguirá diante de outros (incluindo empresas e marcas concorrentes).

MANDELA – Nascido em 1918, Rolihlahla Mandela (nome original) foi o líder que lutou contra o Apartheid na África do Sul, defendendo a democracia e o fim da segregação racial. Ainda criança, foi enviado à vila real de Mqhekezweni, onde passou a frequentar a escola e onde recebeu seu nome “cristão”, Nelson. Iniciou o bacharelado em Artes na universidade de Fort Hare, a primeira da África do Sul a ministrar cursos para negros, mas foi expulso no segundo ano após participar de um protesto estudantil. O fato enfureceu o rei de sua vila, fazendo com que Mandela fugisse para Johanesburgo.

Trabalhou como vigia de uma mina e conheceu o corretor de imóveis Walter Sisulu, que lhe arranjou um emprego na firma de advogados Witkin, Eidelman e Sidelsky, algo impensável para um negro. Foi só na cidade, onde não era tratado como da nobreza e sim como um negro pobre do interior, que Mandela tomou conhecimento da diferença racial que acometia o país, fato que o levou à vida política. Em 1944, ingressou no Congresso Nacional Africano (CNA) e, em 1949, fundou a Liga Juvenil do CNA (ANCYL, na sigla em inglês; 1949), que tinha um posicionamento mais radical perante o partido dos brancos. Enquanto sua popularidade crescia, a vitória da extrema-direita branca no governo do país resultou no regime segregacionista do Apartheid.

Em 1952, Mandela chefiou a Campanha de Desafio, que promoveu o Dia do Protesto, incentivando negros a usarem os espaços reservados aos brancos em locais públicos. Em sua atividade política, Mandela foi preso em várias ocasiões, condenado a trabalhos forçados por tempo determinado, atuou na clandestinidade até que foi capturado, julgado e condenado à prisão perpétua – onde ficou encarcerado na famosa cela 466/64.

Quando preso, aprendeu a pensar a longo prazo, procurou passar o raciocínio e conhecimento aos mais jovens, aprendeu a cultura e língua africâner e ainda exerceu influência sob lideranças do país. Em 1990, foi solto e viu a minoria branca apoiar o fim do Apartheid. Em 1994, tornou-se presidente e colocou em prática sua proposta de transição para a democracia multirracional, com a criação da Comissão da Verdade e Reconciliação, e assegurou à minoria branca um futuro no país. Mesmo depois do término do mandato, atuou fortemente na política internacional, antes de se aposentar.

Lição: ter a capacidade de articular, influenciar, pensar a longo prazo e esperar os momentos certos para agir são características de liderança imprescindíveis para pequenos e médios empresários que precisam erguer um negócio e aproveitar as oportunidades e tendências do mercado. Além disso, mais do que tudo, assim como prega o “Mandela Day”, um líder deve ser capaz de inspirar as pessoas a ter ações para mudar o rumo das coisas, melhorando a organização e (porque não?) com o pensamento de tornar o mundo um lugar melhor.
A lei 10.639 foi expedida em 09 de janeiro de 2003 e também tornou obrigatório o ensino sobre História e Cultura Afro-Brasileira no calendário escolar, permitindo o resgate sobre a influência de povos negros na história econômica, política e social do país.

- Este dia e todo mês, é dedicado para pensarmos sobre a importância da cultura e do povo africano em nosso país. Eles sempre foram muito importantes em nossa história, construindo junto com a gente um país tão rico como é o Brasil. Já parou para pensar quanta coisa linda eles trouxeram? Músicas, dança, artes, esportes e também grande participação na área política e social.


REBELE-SE CONTRA O RACISMO!

Um afro abraço.

Claudia Vitalino.

fonte:www.ebc.com.br/unegro

Comércio atlântico de escravizados alguns registros...

Mercadoria humana atravessa o Atlântico.

A expansão marítima e comercial europeia, a partir do século XV, mudou drasticamente a história da
humanidade ao unir três continentes: a Europa, a África e a América (poderíamos considerar a Ásia também, mas essa é uma outra história).
Em busca de enriquecimento, os europeus (os portugueses foram pioneiros), organizaram todo um aparato político, econômico e militar que lhes garantiu o controle sobre africanos e americanos. Dessa forma surgiu o que chamamos de sistema colonial.

O comércio de escravos no Atlântico ou comércio transatlântico de escravos, também chamado de tráfico negreiro, ocorreu em todo o Oceano Atlântico entre os séculos XVI e XIX. A grande maioria dos escravizados que eram transportados para o Novo Mundo, a maior parte pela rota de Comércio Triangular, eram membros de povos da África Ocidental, nas partes central e ocidental do continente, vendidos por outros africanos ocidentais para os comerciantes de escravos da Europa Ocidental ou capturados diretamente pelos europeus.

O número de pessoas trazidas foi tão grande que, antes do final do século XVIII, os africanos que vieram por meio do comércio de escravos tornaram-se os mais numerosos imigrantes do Velho Mundo tanto no Norte quanto no Sul da América. Uma quantidade muito maior de escravos foi levada para a América do Sul em relação ao norte. O sistema econômico do Atlântico Sul era centrado na produção de culturas de commodities e produtos têxteis para vender na Europa. Aumentar o número de escravos africanos trazidos para o Novo Mundo foi crucial para os países da Europa Ocidental que, nos séculos XVII e XVIII disputavam entre si a criação de impérios ultramarinos. O comércio de escravos é às vezes chamado de Maafa por estudiosos afro-americanos, o que significa "grande desastre" em suaíli. Outros, como Marimba Ani e Maulana Karenga, usam os termos Holocausto Africano ou Holocausto da Escravidão para se referir ao período.

A escravidão passou a ser justificada por razões morais e religiosas é baseada na crença da suposta superioridade racial e cultural dos europeus. O tráfico de escravos africanos se dividiu em quatro fases:

Ciclo da Guiné (século 16)
Ciclo de Angola (século 17): traficou congos, ambundos, bacongos, benguelas e ovambos.
Ciclo da Costa da Mina, hoje chamado Ciclo de Benim e Daomé (século 18 - 1815): traficouiorubás, jejes, minas, hauçás, tapas e bornus.

Período de tráfico ilegal, reprimido pela Inglaterra (1815-1851)
Distribuição dos escravos africanos (1519–1867)

Destino - Porcentagem

América Portuguesa - 38,5%
América Britânica (exceto a América do Norte) - 18,4%
América Espanhola - 17,5%
América Francesa - 13,6%
América do Norte Britânica - 6,45%
América Inglesa - 3,25%
Antilhas Neerlandesas - 2,0%
Índias Ocidentais Dinamarquesas - 0,3%

O número de africanos que desembarcou em cada área pode ser calcula:

O Império Português foi o primeiro a se engajar no comércio de escravos para o Novo Mundo no século XVI e outros logo o seguiram. Os donos dos navios negreiros consideravam os escravos como uma carga que deveria transportada para a América da maneira mais rápida e barata possível,para então serem vendidos para o trabalho escravo em lavouras de café, tabaco, cacau, açúcar e algodão, nas minas de ouro e prata, campos de arroz, de indústria de construção, corte de madeira e como empregados domésticos. Os primeiros africanos importados para as colônias inglesas eram classificados como "servos contratados" e também como "aprendizes para toda a vida". Em meados do século XVII, a escravidão tinha se consolidado como uma casta racial; os escravos negros e seus descendentes eram oficialmente uma propriedade de seus proprietários e as crianças nascidas de mães escravas também eram consideradas escravas. Enquanto uma propriedade, as pessoas eram consideradas um tipo de mercadoria ou unidades de trabalho e eram vendidas em mercados populares, ao lado de outros produtos e serviços.

Os principais comerciantes de escravizados do Atlântico, ordenados por volume de comércio, foram: os impérios Português, Britânico, Francês, Espanhol e Neerlandês, além dos Estados Unidos
(especialmente a região sul). Eles estabeleceram postos avançados na costa africana onde adquiriram escravizados de líderes africanos locais. As estimativas atuais são de que aproximadamente 12 milhões de africanos foram enviados através do Atlântico, embora o número de pessoas compradas pelos comerciantes de escravos seja consideravelmente maior..

A travessia:
Os navios que negociavam e transportavam escravizados eram chamados de navios negreiros ou navios tumbeiros, nome que é derivado de "tumba", devido à quantidade de escravos que morriam em seus porões. Calcula-se que 20% dos escravos africanos embarcados nos tumbeiros morriam durante a travessia pelo oceano Atlântico.

O tumbeiro poderia ser uma nau, um bergantim, uma corveta, dependendo do desenvolvimento tecnológico da época (o tráfico atlântico de escravos durou quatro séculos e durante esse tempo as técnicas de navegação mudaram muito).

Em geral essas embarcações transportavam entre 400 e 500 escravos, todos confinados num porão. Os negreiros (comerciantes de escravos) compravam escravos a mais do que sua embarcação comportava, pois sabiam que perderiam muitas das suas "mercadorias" durante a viagem, e assim superlotavam suas embarcações.

Uma viagem entre Angola e Brasil durava 35 dias. E entre Moçambique e Brasil demorava em torno

de três meses. Os alimentos e a água potável transportada por esses navios eram insuficientes até mesmo para a tripulação (trabalhadores do navio), pois não existia nenhuma forma de refrigeração

Os escravizados, confinados na parte mais insalubre do navio, passavam por situações das mais terríveis. Não sabiam onde estavam, ficavam apertados num espaço no qual não podiam ficar em pé ou se deitar, recebiam pouca alimentação com baixo grau de nutrientes (basicamente: feijão, farinha de mandioca e carne seca). Mal recebiam água para beber. E, enquanto isso, pelas frestas da embarcação feita de madeira, a água do mar ia aos poucos invadindo o chão do porão.

Famintos, fracos e doentes, os escravos não tinham mais nada em que acreditar. O desespero era tanto, que alguns dos cativos aceitavam vigiar e punir seus companheiros de sofrimento em troca de um pouco mais de água. Os rebeldes eram, normalmente, envenenados. Os mortos eram atirados ao mar.

Nessa situação de tamanha infelicidade, pessoas que nunca tinham se visto antes, que nem sequer falavam a mesma língua, se ajudavam. Repartiam a pouca comida. Consolavam-se. Essa amizade,

essa solidariedade que surgia nos tumbeiros era chamada de malungo, ou seja, amizade de travessia, que algumas vezes se perpetuava para a vida toda.

-São comuns os relatos sobre a enorme felicidade dos escravizados ao aportarem no Brasil, o que era interpretado na época como se os africanos estivessem alegres por se libertarem da vida pagã africana ao chegar ao mundo cristão americano. Esse foi um dos argumentos mais eficientes para legitimar a comercialização de gente na época.

O Navio Negreiro, Tragédia no Mar (VI) (Castro Alves trecho)
Existe um povo que a bandeira empresta
Pr'a cobrir tanta infâmia e cobardia!...
E deixa-a transformar-se nessa festa
Em manto impuro de bacante fria!...
Meu Deus! meu Deus! mas que bandeira ?esta,
Que impudente na gávea tripudia?!...
Silêncio!... Musa! chora, chora tanto
Que o pavilhão se lave no teu pranto...

 Um afro abraço.
Claudia Vitalino
REBELE-SE CONTRA O RACISMO!
fonte:Wikipédia, a enciclopédia livre

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

A questão da miscigenação racial no Brasil - Mariene De Castro - Canto Das Três Raças



A questão da miscigenação racial no Brasil costuma ser muito simplificada e romantizada. Não é raro ouvirmos que o Brasil é um país mestiço e plural e que, consequentemente, todos os seus habitantes tiveram sua etnia inevitavelmente misturada em algum ponto de sua ancestralidade. Mas sob o axioma de um país miscigenado se esconde uma realidade violenta e racista: a generalização da branquitude em um país predominantemente negro.

-Desde o início da colonização do Brasil a miscigenação foi intensa. A maioria dos "colonizadores" portugueses que vieram ao Brasil eram homens, que mantinham relações com índias ou escravas negras. As mulheres brancas só vieram mais tarde, principalmente a partir da segunda metade do século 19, com a imigração européia e japonesa.

Os negros foram trazidos da África a partir de 1538, para trabalhar como escravos inicialmente na cultura da cana-de-açúcar e, mais tarde, nas minas e nos cafezais. Não existem dados oficiais do número de escravos entrados no Brasil, mas as estimativas apontam para mais de 4 milhões de indivíduos.

A miscigenação deu origem a outros numerosos grupos, como:
mulato (branco com negra, ou vice-versa);
caboclo ou mameluco (branco com índia, ou vice-versa);
o cafuzo (negro com índia, ou vice-versa).

Se liga: O fato de a base da população brasileira ter sido formada com a intensa miscigenação do branco português com mulheres negras e indígenas ajudou a construir a idéia de ausência de racismo no Brasil, de harmonia entre as diversas etnias ("raças") e de ausência de conflitos.
Se todos os brasileiros são miscigenados e possuem sangue negro e indígena em suas veias, por que tantas pessoas resistem em reconhecer a própria ascendência? Acontece que a identificação social da pessoa negra no Brasil acontece diretamente devido ao tom da pele. O entendimento das pessoas a respeito da negritude é muitas vezes distorcido: mesmo que a família direta ou os pais de um indivíduo sejam negros, o que pesa para que essa pessoa seja reconhecida como negra é a cor da sua pele. Mesmo o tom escuro não é garantia de que alguém será visto como negro; basta lembrar de quantas vezes são adotados eufemismos como “moreno” para se referir a pessoas com a cor da pele escura, como se a palavra pudesse de algum modo reduzir a carga negativa que o termo “negro” parece ter.

Embora a sociedade nem sempre valide a negritude alheia, as pessoas costumam reconhecer essa mesma negritude em traços e características físicas, que são constantemente transformados em justificativas para o racismo e a violência. O nariz largo, os lábios grossos ou o cabelo crespo, popularmente conhecido como “cabelo ruim”, são alvos de degradação e repúdio. É interessante lembrar que a África é um vasto continente com uma grande variedade de etnias, das quais não são todas que se encaixam no molde conhecido de “traços negros”. Ainda assim, são essas as características interpretadas como negras e que acabam por fermentar o racismo em suas mais diversas formas.

Mesmo com tantas histórias de violência racista, muitas pessoas ainda se sentem inseguras quando questionadas sobre sua negritude. Na última semana, foi aberto um formulário de pesquisa voltado para pessoas miscigenadas e as respostas obtidas foram bastante similares entre si. Algumas pessoas dizem que não se sentem no direito de se afirmar como negras devido ao tom não tão escuro da sua pele. Muitas delas são descendentes diretas de negros, ou contam com parentes próximos negros, mas a afirmação racial simplesmente não acontece. Por um lado, essa é uma demonstração de respeito às pessoas negras de pele inquestionavelmente escura, que sofrem o racismo diário impassível de debates ou especulações – o racismo contra a pele escura e contra a aparência. Por outro lado, uma discussão séria e sensível se faz necessária: por que tanta gente afrodescendente não reconhece a própria negritude e não consegue afirmá-la de forma política e subjetiva?

Para os brasileiros, é melhor ser branco sempre que for possível.
Se a pele não é escura o suficiente, ou se um dos pais é loiro de olhos azuis, então a pessoa é considerada branca, em uma tentativa incansável de clarear os descendentes, a família e a nação. Da mistura de raças, nasce o branco por consideração e, com isso, morrem a cultura, a religião e a identidade afrodescendente. A negritude e a cultura africana, com seus símbolos e tradições, se tornam cada vez mais algo do passado, de uma ancestralidade que é, na maioria esmagadora das vezes, totalmente desconhecida.

Mas os tópicos para debate não param por aí, pois não é o reconhecimento da identidade negra que fará uma pessoa ser negra. Mesmo que os seus pais ou os seus avós sejam negros, uma pessoa de pele branca e cabelo claro dificilmente sofre o racismo destinado às

pessoas negras. É uma questão de bom senso: não há empatia em tomar uma afirmação política contra uma discriminação da qual você não é vítima. Resgatar suas raízes familiares, conhecê-las, celebrá-las e promovê-las é algo desejável e inspirador, mas é importante tomar cuidado para não banalizar a afirmação política negra e a sua luta. Há pessoas brancas, essas sem nenhum vínculo familiar negro, que são repletas de má fé e dizem que também são negras por causa da miscigenação brasileira. Mas esse argumento é uma farsa: em nosso país, negro é quem é reconhecido pelos outros como negro e, consequentemente, sofre racismo e discriminação social.

O racismo é um problema enraizado desde a formação do Brasil. Há séculos nosso país vem lutando para destruir as heranças culturais africanas e impedir a afirmação política negra de autorreconhecimento racial. Fazemos parte de um país que não tanto tempo atrás tinha abertamente uma política de branqueamento racial, incentivando a entrada de imigrantes brancos para clarear a cor do Brasil. A cultura brasileira deseja apagar o negro da sua história, sob a máscara pretensiosa da miscigenação. Mas a miscigenação também pode ser uma arma de luta e empoderamento: basta nos compreendermos como afrodescendentes, sem perdermos de vista o racismo que sofremos. Quando a face racista da sociedade se revela, não há quase-brancos, quase-negros ou morenos, mas sim pessoas nas quais a negritude foi reconhecida.


REBELE-SE CONTRA O RACISMO!


Um afro abraço.

Claudia Vitalino

fonte:www.coladaweb.com/

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Jorge Aragão - Identidade. CEDINE 15 ANOS





Sobre Racismo e Igualdade Racial

-O contexto de surgimento do órgão é o do crescimento da pauta étnico-racial no Brasil e no mundo, paralelamente à diminuição da crença na economia e luta de classes como fator explicativo determinante das relações sociais ...

De negras e negros ainda não é ninguém...Apesar de nós negras e negros, estarmos em todas as frentes de luta contra os males causados por más políticas, que levaram o estado â falência econômica, moral e ética, as negras e os negros que lá estão no meio do burburinho, não tem onde assinar o “ponto negro” de presença. Estamos invisíveis e guetizados de representatividade até nos movimentos sociais. a sociedade brasileira e mundo se chocaram e se indignaram com estas mortes, que representam apenas a ponta do iceberg de um genocídio da população negra e principalmente de jovens, que terá repercussão nos futuro dos índices demográficos da população negra brasileira, pois quem cuidará nas velhice das mães e pais que ficaram órfãos de seus filhos?

LEI Nº 3730, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2001.
FICA O PODER EXECUTIVO AUTORIZADO A INSTITUIR O CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DO NEGRO - CEDINE/RJ, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.


O Governador do Estado do Rio de Janeiro,

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1º - Fica o Poder Executivo autorizado a instituir o Conselho Estadual dos Direitos do Negro – CEDINE/RJ, vinculado à Secretaria de Estado do Gabinete Civil do Governo do Estado do Rio de Janeiro, com a finalidade de elaborar e implementar, em todas as esferas da administração do Estado do Rio de Janeiro, políticas públicas sob a ótica das populações negras, destinadas a garantir a igualdade de oportunidade e de direitos entre todos de forma a assegurar à população negra o pleno exercício de sua cidadania.

Atribuições:

Formular diretrizes, propor medidas e emitir pareceres que visem assegurar e ampliar os direitos da comunidade negra, promovendo o seu desenvolvimento social, cultural, político e econômico;

Assessorar o Poder Executivo na elaboração e execução de políticas públicas concernentes aos direitos e interesses da comunidade negra;

Acompanhar a elaboração e execução dos programas que repercutam sobre os direitos e interesses da comunidade negra;

Adotar providências e fiscalizar o efetivo cumprimento da legislação relativa aos interesses da comunidade negra;

Apoiar atividades da comunidade negra ou de interesse e importância para o seu desenvolvimento, bem como promover intercâmbio com organizações afins, nacionais e internacionais;

Desenvolver projetos que promovam a participação da comunidade negra em todos os níveis de atividades;

Defender e apoiar políticas educacionais e de capacitação do negro como cidadão;

Sugerir alterações em seu Regimento;

Exercer outras atividades correlatas.


Se liga negrada: O Estatuto, que entrou em vigor em 2010, é um conjunto de regras e princípios jurídicos que visam coibir a discriminação racial e estabelecer políticas para diminuir a desigualdade social existente entre os diferentes grupos raciais. De acordo com Neto, ainda há muito a avançar, mas ele celebra o fato de haver cada vez mais a agregação entre os grupos. “Nós, dos movimentos afro, temos organizado cada vez mais eventos, reuniões e marchas para reforçar, discutir e organizar projetos e tarefas que são

essenciais nesse caminho pela igualdade”.

Sim temos avanços, mas ainda passamos por conseqüências de uma sociedade preconceituosa e racista é natural, por se tratar de uma sociedade antes escravista, mas que pode mudar por ter, hoje o mês consciência. Nós já temos alguns caminhos para essa mudança e podemos fazer uma nova caminhada depende de nossa luta e vontade
REBELE-SE CONTRA O RACISMO!
Um afro abraço.

Claudia Vitalino.

fonte:www.sedhast.ms.gov.br/...conselhos/cedine-conselho-estadual-dos-direitos-do-negro/UNEGRO

domingo, 13 de novembro de 2016

Morena de Angola Clara...- Heroínas de Angola



Conhecidas como guerrilheiras, estas destemidas senhoras  orgulho e fonte de inspiração para muitas angolanas..

História-
A OMA é a maior Organização Politica do MPLA que trabalha na mobilização, sensibilização e educação das mulheres desde os primórdios da luta de libertação nacional. Foi fundada em 1962 na Republica Democrática do Congo por um grupo de mulheres angolanas que se encontravam neste país onde o MPLA, na altura movimento que lutava pela Independência de Angola tinha a sua Direcção. Durante este tempo a OMA mobilizou as mulheres para a participação em todas as tarefas da revolução desde a alfabetização a prestação de apoio social aos guerrilheiros e participando também nos combates.

As cinco heroínas angolanas, Deolinda Rodrigues, Lucrécia Paim, Engrácia dos Santos, Irene Cohen, Teresa Afonso e outras anônimas personificam a luta das mulheres angolanas.

Os grandes projetos levados a cabo pela OMA no domínio político, econômico, social e cultural circunscrevem-se em acções como educação para a cidadania, educação para a saúde, combate a pobreza, analfabetismo, violência, solidariedade, apoio social e jurídico prestado às famílias vítimas de violência.
A sua maturidade e o prestígio alcançado durante estes anos fez com que ela assumisse vários cargos em organizações internacionais.

CRESCIMENTO DA ORGANIZAÇÃO

Sendo actualmente a maior Organização social do país, com mais de dois milhões e quinhentos mil membros enquadrados em mais de 49 mil secções no interior e exterior do país, a OMA cresceu desde o último congresso realizado em 2005 em que se reflecte na adesão de mulheres provenientes de todas as classe sociais, idades, profissões e religiões, que se evidenciaram em verdadeiras mobilizadoras nas eleições legislativas de 2008, em que o nosso partido saiu amplamente vitorioso.
Hoje os membros da OMA representam 51% do total de militantes do MPLA.

Dirigentes da Organização


Mariana Anapaz “ Manana”
Presidente da OMA,1962-1964

Catarina Garcia Bernardes de Jesus “ Zinha de Jesus”
Presidente da OMA, 1964-1965

Lucília Evelize do Sacramento Neto “Zizi”


Presidente da OMA 1965-1966

Luísa Mateus Pereira Ingês
Coordenadora Nacional 1974-1977

Maria Martins Carlos
Coordenadora Nacional da OMA1969-1972 e 1977-1978

Maria Ruth Neto
Coordenadora Nacional e Secretária Geral da
OMA,1972-1974 e 1976-1999

REBELE-SE CONTRA O RACISMO!
Um afro abraço.

Claudia Vitalino.

fonte:www.voaportugues.com/

sábado, 12 de novembro de 2016

Livros animados, a cor da cultura - Educação Contos Africanos




Lenda africana - A HISTORIA DO FURAÇÃO
"O FILHO DO VENTO reconta uma lenda dos bosquímanos, povo nômade que habita o deserto do Kalahari. Enquanto o vento “zune lá fora”, a mãe narra aos seus dois filhos, Dabé e Kauru, a lenda de seu povo sobre o filho do vento: um solitário menino, o filho do vento, encontra Nakati, menino de sua idade, e com ele joga bola, sem, no entanto, revelar a sua identidade".

Você sabe como se forma um furacão? Uma lenda africana dos dos bosquímanos (povo nômade que habita o deserto do Kalahari) explica o fenômeno de um jeito bem interessante:

O nome do filho do vento é um segredo que deve ser guardado e respeitado. Mas Nakati resolve desafiá-lo e enfrenta um enorme vendaval…

Na história, um menino de nome Nakati subiu a montanha atrás de ovos de avestruz e foi surpreendido por um menino com cabelos eriçados que o convidou para girar a bola. Era o filho do vento; ele estava contente por ter, finalmente, encontrado um menino de sua idade para brincar.

Os meninos se deram muito bem e já não queriam se separar, mas, antes de chegar o final da tarde, a mãe do filho do vento o chamou para dentro de casa, uma cabana isolada no alto da montanha.

O filho do vento sabia o nome de Nakati, mas Nakati não sabia o nome do amigo. Quando a mãe do menino o chamou Nakati se esforçou para ouvir e aprender, mas só conseguiu perceber o vento soprando e assoviando.

Naquela noite, Nakati perguntou para sua mãe qual era o nome do menino que vivia no alto da montanha, naquela cabana isolada de tudo e de todos. A mãe de Nakati ficou assustada e não revelou o nome do amigo do filho. Ela explicou que tal segredo não devia ser revelado sob pena varrerem fortes ventanias…
A partir daquele dia, os dois meninos se tornaram grandes amigos. Nakati sempre atento a aprender o nome do filho do vento.


Foi depois de um dia de muita brincadeira que Nakati, já tendo aprendido o nome do amigo, resolveu desafiar as forças da natureza. Turbilhões, tornados, redemoinhos e furacões se formaram ao redor do menino. Nakati tinha de correr mais rápido que o vento para se refugiar dentro de casa.

Se liga: Esta lenda serviu como inspiração para muitas histórias, tendo se transformado em livro pelas mãos de pelo menos dois grandes nomes da literatura lusófona: o angolano José Eduardo Agualusa e o brasileiro Rogério Andrade Barbosa. 

Um afro abraço.

Claudia Vitalino.
REBELE-SE CONTRA O RACISMO!
Fonte: Youtube/www.conexaolusofona.org/UNEGROFORMAÇÃO

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Classe média alta e negros também apoiaram Trump

"A visão tradicional das recentes eleições americanas deu ainda mais razão para pensar
que Clinton estava segura. Pesquisas sugeriram que o presidente Obama venceu a eleição presidencial de 2012 apesar de ter pouco apoio entre eleitores brancos (...). Essas pesquisas mostraram que os eleitores brancos sem diploma eram apenas um terço do eleitorado. Isso foi interpretado como que não havia muito espaço para perdas adicionais, especialmente uma vez que um democrata branco substituiu o senhor Obama na cédula [de votação]", afirmou o Upshot. "A verdade é que os democratas eram muito mais dependentes dos eleitores brancos da classe trabalhadora do que muitos acreditavam."
Diversidade...


Hispânicos superam população negra nos Estados Unidos
A comunidade hispânica nos Estados Unidos superou em tamanho a população negra no país, de acordo com números divulgados na terça-feira pelo Census Bureau, o departamento americano responsável pelo censo.

Esta é a primeira vez que o número de hispânicos e americanos descendentes de hispânicos é maior do que a população de afro-americanos.

De acordo com o censo, 37 milhões de hispânicos e 36 milhões de negros vivem atualmente nos Estados Unidos.

Isso significa que os hispânicos representam agora quase 13% da população americana.

Natalidade e migração

Observadores afirmam que a tendência deve ser mantida nos próximos anos por causa do alto índice de natalidade na comunidade hispânica e da crescente migração de latino-americanos.

O censo revelou ainda que 284,4 milhões de pessoas vivem atualmente nos Estados Unidos.

Os números indicam que a população americana cresceu 3,4% de abril de 2000 até 2002.

No mesmo período, a comunidade hispânica aumentou 4,7%, e a população negra cresceu apenas 2%.

7 motivos de Donald Trump

1.Trump, que prometeu expulsar os imigrantes e erguer um muro para separar o México dos Estados Unidos, teve seu menor índice de popularidade entre os eleitores “não brancos” (negros, hispânicos e asiáticos). Novamente, a região sul foi a mais azul do mapa.

No entanto, Trump obteve a imensa maioria dos votos entre os eleitores brancos.
2. A matemática do Meio-Oeste, ou bem-vindo ao Brexit do Cinturão Industrial.
3. O último bastião do homem branco e nervoso.
4. O problema Hillary.
5. O eleitor deprimido de Sanders.
6. O efeito Jesse Ventura.
7. O mundo esta encaretando...
Os eleitores de Trump:


42% mulheres e 58% homens

87% brancos

5% latinos

1% negros

14% pobres

Os eleitores de Hillary:

61% mulheres e 39% homens

58% brancos

9% latinos

24% negros

28% pobres


'Nossa nação está mais dividida do que pensávamos'.
“Eu sei o quão desapontados vocês se sentem. É doloroso e vai ser por muito tempo. Nós vimos que a nossa nação está mais dividida do que pensávamos”, afirmou em um hotel de Nova York. A democrata estava nitidamente emocionada.(Hillary)

Logo após a fala da colega de partido, Obama fez um pronunciamento sobre as eleições e
disse que "não poderia estar mais orgulhoso dela". Disse ainda que sua candidatura foi "histórica" e "deixa uma mensagem às nossas filhas".

Um afro abraço.

Claudia Vitalino.

fonte:https://pt.wikipedia.org/www.bbc.com/portuguese/UNEGRO INTERNACIONAL

Consciência Negra: um longo caminho para a liberdade



O caminho para a liberdade ainda e longo
O Brasil foi o último país da América a abolir a escravidão. Entenda como foi a luta pela emancipação dos negros cativos no país
A luta pela abolição do trabalho escravo é antiga no Brasil. Os primeiros questionamentos a esse regime de trabalho começaram a ser formulados ainda no período colonial. Foi também no tempo da colônia que os primeiros focos de resistência negra ganharam força, como a célebre comunidade de Palmares: as primeiras referências à formação de um quilombo na região que viria a abrigar o grupo liderado por Zumbi datam de 1580.

No entanto, essa questão só ganhou fôlego e projeção política maiores no período imperial, no século XIX. Com as profundas alterações estruturais geradas pela independência do país, o uso da mão-de-obra escrava tornou-se cada vez mais questionável, e sua gradual substituição por um novo modelo de trabalho – criado e aplicado pelas elites nacionais – tornou-se inevitável.

O sistema escravista começou a sofrer duros golpes com as restrições impostas ao tráfico negreiro pelos ingleses ao longo da primeira metade do século XIX. A partir da proibição definitiva do tráfico, em 1850, a escravidão passou a ser cada vez mais questionada no país, até ser definitivamente abolida em 13 de maio de 1888. Veja abaixo uma cronologia dos principais marcos desse processo:

1822 - É proclamada a independência do Brasil. A alteração do regime político nacional impulsiona o debate sobre o regime econômico.

1823 - José Bonifácio, o “patriarca da independência”, faz severas críticas ao modelo escravista na Assembléia Constituinte de 1823. O ato contribuiu para impulsionar a luta contra o trabalho escravo.

1831 - No dia 07 de novembro, é promulgada uma primeira lei de proibição do tráfico negreiro. No entanto, essa determinação judicial não chegou a ser de fato aplicada.

1845 - Em 08 de agosto, a Inglaterra promulga o Slave Trade Suppression Act, ou “Ato de supressão do tráfico negreiro”, conhecida no Brasil como Bill Aberdeen. Com esse decreto, o país europeu proibiu a comercialização de escravos entre a África e a América. O tráfico continuou a ser praticado clandestinamente, o que encareceu o preço da mão-de-obra escrava e levou a um forte declínio do modelo de trabalho forçado.

1850 - Aprovação da Lei Eusébio de Queirós, que previa a punição de traficantes de escravos. Fim da entrada de cativos no Brasil

1871 - É aprovada, no dia 28 de setembro, a Lei do Ventre Livre, que proibia a escravização dos negros nascidos em solo nacional. Esse foi o principal golpe sofrido pelo regime escravista até a Lei Áurea, pois, com a proibição do tráfico negreiro, seria natural que a população escrava do país desaparecesse após algumas décadas.

1880 - É fundada, em 07 de setembro, a “Sociedade Brasileira Contra a Escravidão”, instituição criada pelo político e diplomata Joaquim Nabuco que lutou contra o regime. Nessa época, periódicos como O Abolicionista, do próprio Nabuco, e Revista Ilustrada já circulavam, dando mostras da força das críticas ao modelo escravista.

1883 - Joaquim Nabuco publica O Abolicionismo, uma das mais importantes obras a favor do fim do regime escravista.

1887 - A Lei Saraiva-Cotegipe, mais conhecida como Lei dos Sexagenários, passou a determinar a libertação dos escravos com mais de 65 anos.

1888 - No dia 13 de maio, a princesa Isabel assina a Lei Áurea. O ato põe fim a um processo político há muito em curso e, sob vários aspectos, já inevitável.

Se liga:Quando mais de cinco milhões de escravos desembarcaram nos portos do Rio de Janeiro, Salvador e Recife, sem contar os muitos milhares que morreram na travessia do Atlântico. Só no século XIX a mentalidade dos homens começou a mudar. Com o movimento abolicionista, leis foram criadas, pouco a pouco, para acabar com esse sistema.
Ainda falta um longo caminho a se traça ainda longo e difícil do cativeiro à verdadeira abolição, e a luta pela liberdade, as formas de alforria, os princípios abolicionistas ainda vive ate chegarmos a inclusão de nossa gente na sociedade brasileira.


Um afro abraço.

Clauda Vitalino.

REBELE-SE CONTRA O RACISMO!
fonte:UNEGRO FORMAÇÃO/

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Homens negros são mais suscetíveis ao câncer de próstata...

Um fator de risco é algo que afeta sua chance de adquirir uma doença como o câncer. Diferentes tipos de câncer apresentam diferentes fatores de risco. Alguns como fumar, por
exemplo, podem ser controlados; no entanto outros não, por exemplo, idade e histórico familiar. Embora os fatores de risco possam influenciar o desenvolvimento do câncer, a maioria não causa diretamente a doença. Algumas pessoas com vários fatores de risco nunca desenvolverão um câncer, enquanto outros, sem fatores de risco conhecidos poderão fazê-lo.

-"Ter um fator de risco ou mesmo vários, não significa que você vai ter a doença. Muitas pessoas que contraem a doença podem não estar sujeitas a nenhum fator de risco conhecido. Se uma pessoa com câncer de próstata tem algum fator de risco, muitas vezes é muito difícil saber o quanto esse fator pode ter contribuído para o desenvolvimento da doença."

Fatores que podem aumentar o risco de uma pessoa desenvolver câncer de próstata:


Idade -
O câncer de próstata é muito raro em homens com menos de 40, mas a chance de ter câncer de próstata aumenta rapidamente após os 50 anos. Aproximadamente 60% dos cânceres de próstata são diagnosticados em homens com mais de 65 anos.

Raça - O câncer de próstata é mais frequente em homens de descendência africana do que em homens de outras raças. Pessoas de raça negra são mais propensos a serem diagnosticados em estágio avançado, e têm o dobro da probabilidade de morrer de câncer de próstata do que os homens brancos.

Nacionalidade - O câncer de próstata é o mais comum na América do Norte, noroeste da Europa, Austrália e nas ilhas do Caribe. É menos comum na Ásia, África, América Central e América do Sul. As razões para isso não estão claras. O rastreamento intensivo em alguns países desenvolvidos, provavelmente, é responsável por pelo menos parte dessa diferença,
mas outros fatores, como diferenças de estilo de vida tendem a ser importantes. Por exemplo, os homens de origem asiática têm um menor risco de câncer de próstata do que os americanos brancos, mas o risco é maior do que a de homens de origens semelhantes que vivem na Ásia.

Histórico Familiar - Ter um parente de primeiro grau com diagnóstico de câncer de próstata mais do que duplica o risco de um homem de desenvolver a doença.

Genes - Algumas alterações genéticas hereditárias podem aumentar o risco de desenvolver mais do que um tipo de câncer. Por exemplo, mutações dos genes BRCA-1 ou BRCA-2 podem aumentar o risco de câncer de mama e de ovário, entretanto, as alterações nestes genes também podem aumentar o risco de câncer de próstata em alguns homens, mas isso representa uma porcentagem muito pequena dos casos da doença.

Dieta - Alguns estudos sugerem que homens que consomem uma grande quantidade de cálcio, através dos alimentos ou suplementos, podem ter um maior risco de câncer de próstata. Laticínios, que muitas vezes são ricos em cálcio, também podem aumentar o risco. O exato papel da dieta no câncer de próstata ainda está sendo estudado. Os homens que comem muita carne vermelha ou laticínios ricos em gordura parecem ter uma chance
ligeiramente maior de ter câncer de próstata. Esses homens também tendem a comer menos frutas e legumes. Os médicos não têm certeza de qual desses fatores é responsável por elevar o risco. Alguns estudos sugerem que os homens que consomem grandes quantidades de cálcio (através de alimentos ou suplementos) podem ter um risco maior de desenvolver câncer de próstata.

Obesidade - Acredita-se que homens obesos têm um risco maior de ter câncer de próstata mais agressivo. As razões para isso não estão claras.


Tabagismo - A maioria dos estudos não encontrou uma ligação entre tabagismo e o risco de desenvolvimento de câncer de próstata. Alguns estudos recentes têm ligado o tabagismo a um possível pequeno aumento no risco de morte por câncer de próstata, mas esta é uma nova descoberta que terá de ser confirmada por outros estudos.

Exposição Ocupacional -
Existe alguma evidência de que os bombeiros expostos aos produtos de combustão tóxica têm um risco aumentado de câncer de próstata.

Inflamação da Próstata -
Alguns estudos têm sugerido que a prostatite (inflamação da próstata) pode ser associada a um risco aumentado de câncer de próstata. A inflamação é muitas vezes detectada em amostras de tecido da próstata, que também contêm câncer. A ligação entre os dois ainda não está clara, mas esta é uma área ativa de pesquisa.

Doenças Sexualmente Transmissíveis Doenças sexualmente transmissíveis, como gonorreia ou clamídia, podem aumentar o risco de câncer de próstata, possivelmente levando

a inflamação da próstata. Até agora, os estudos não são conclusivos.

Vasectomia - Alguns estudos sugerem que homens que fizeram vasectomia, especialmente os que tinham até 35 anos no momento do procedimento, podem ter um risco levemente maior de câncer de próstata. Mas, a maioria dos estudos recentes não encontrou qualquer aumento do risco entre os homens que fizeram esta cirurgia. O medo de um aumento do risco de câncer de próstata não deve ser uma razão para evitar uma vasectomia.


"Homens negros que vivem na Inglaterra correm risco três vezes maior de sofrer de câncer da próstata do que brancos, segundo estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Bristol."

Os negros também tendem a ser diagnosticados cinco anos mais cedo, de acordo com a análise de todos os casos registrados nas cidades inglesas de Londres e Bristol.

Análise: pesquisadores dizem que especialistas americanos já haviam relatado um maior índice de câncer de próstata entre negros.
De acordo com artigo publicado pelos pesquisadores na revista científica British Journal of Cancer, os resultados não podem ser explicados por questões como o acesso a exames diagnósticos, conhecimento sobre a condição ou programas de testes preventivos.
Durante o estudo, não ficou claro inicialmente se havia uma incidência "genuinamente" maior de câncer de próstata em negros ou se eles simplesmente tinham mais chance de ser diagnosticados.
Mas quando os registros médicos foram analisados detalhadamente, os pesquisadores verificaram que negros e brancos tinham níveis parecidos de conhecimento sobre o câncer da

próstata e sintomas semelhantes.
Eles também demoraram mais ou menos o mesmo tempo para consultar um clínico geral. No entanto, foram encontradas evidências de que negros tinham maior probabilidade de fazer o teste PSA (sigla em inglês para antígeno prostático específico) antes de apresentar qualquer sintoma.

O PSA não é um teste para diagnosticar o câncer, mas pode indicar anormalidades.

Suscetibilidade: 
Ao comentar as razões pelas quais homens negros estariam sendo diagnosticados mais cedo, os pesquisadores dizem que há uma maior probabilidade de que o câncer da próstata em pessoas mais jovens seja resultado de uma maior suscetibilidade biológica à doença.

Os especialistas estão agora realizando mais pesquisas para ver se há diferenças nos índices de sobrevivência apresentados pelos dois grupos.
Estudos para verificar se os exames de PSA deveriam ser usados de forma rotineira para a identificação de novos casos também estão sendo realizados e há a possibilidade de que os testes sejam recomendados para grupos de alto risco.

Joanna Peak, representante da entidade beneficente britânica Cancer Research UK, que incentiva pesquisas na área, afirma que o câncer de próstata é o mais comum entre homens britânicos.

"O estudo indica que há uma diferença biológica real entre grupos étnicos, e esse conhecimento pode potencialmente levar a tratamentos melhores para homens sob maior risco", diz Peak.

"Recomendamos a todos os homens que visitem seus clínicos gerais se estiverem apresentando qualquer sintoma possível de câncer da próstata, por exemplo, problemas ao

urinar", acrescentou Anna Jewell, da entidade beneficente The Prostate Cancer Charity.

"Isso demonstra a necessidade de continuarmos a trabalhar para elevar a consciência sobre os maiores riscos de câncer da próstata entre os homens negros", completou Jewel

Um afro abraço.

Claudia Vitalino.

fonte:www.oncoguia.org.br/conteudo/oncohematos.com.br